GUERRA

Forças dos EUA e aliados atacam Estado Islâmico na Síria e Iraque

Forças dos EUA e aliados atacam Estado Islâmico na Síria e Iraque
07/09/2015 07:00 - G1


Os Estados Unidos e seus aliados atacaram 21 alvos do Estado Islâmico neste sábado (5), de acordo com a Reuters. A informação foi divulgada neste domingo (6). Os ataques ocorreram na Síria e no Iraque, informou a Reuters.

Na Síria, quatro alvos foram atingidos. De acordo com o comunicado, foram destruídos um equipamento de construção e uma unidade tática do Estado Islâmico.

No entanto, a maior parte dos ataques ocorreu no Iraque. Em cinco ataques aéreos na região de Fallujah, foram atingidos um edifício e um bunker.

Outros doze ataques foram feitos perto de seis cidades iraquianas, acertando alvos do Estado Islâmico, como unidades táticas e posições de combate.

Segundo a Agência France Presse, essa foi a primeira vez que o Iraque os caças F-16 adquiridos dos EUA.

O ministro da Defesa iraquiano Khaled al-Obaidi disse que obteve "resultados importantes" na missão. O tenente-general Anwar Hama Amin disse à AFP que foram usadas "armas inteligentes", sem especificar quais.

O Estado Islâmico (EI), também conhecido como Daesh ou ISIS, é um grupo radical sunita (um dos ramos do islamismo) criado a partir do braço iraquiano da Al-Qaeda, a conhecida rede responsável pelos ataques de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos.

O grupo controla áreas do Iraque e da Síria. Entre as conquistas mais recentes estão a cidade de Ramadi, capital da província iraquiana de Al-Anbar, e a cidade histórica síria de Palmira.

Em setembro de 2014, o presidente americano, Barack Obama, anunciou a formação de uma coalizão de aproximadamente 60 países na luta contra o EI. Até março de 2015, o grupo já havia realizado 4 mil ataques aéreos, a maioria com atuação das forças americanas.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".