Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Política

FHC diz que saída de Dilma não basta e defende "novo bloco de poder"

6 SET 15 - 20h:00FOLHAPRESS

Em artigo publicado neste domingo (6), o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso diz que a crise atual é tão grave que sua solução não está somente na "remoção do obstáculo mais visível a um reordenamento político", a presidente Dilma Rousseff (PT), mas na formação de "um novo bloco de poder que tenha força suficiente para reconstruir o Estado Brasileiro".

O texto de FHC foi publicado nos jornais "O Globo", "O Estado de S. Paulo" e no "El País". Nele, o tucano diz que o novo bloco de poder não dependeria apenas da união de diversas legendas, mas de um pacto com o empresariado, sociedade e entidades civis.

"Bloco de poder não é um partido, nem mesmo um conjunto deles, é algo que engloba, além dos partidos, os produtores, os consumidores, os empresários e os assalariados, e que se apoia também nos importantes segmentos burocráticos do Estado, civis e militares", escreveu.

O ex-presidente escreveu sobre o assunto num momento em que as articulações pelo impeachment de Dilma ganharam novo fôlego no Congresso e o vice-presidente, Michel Temer, tem se afastado da petista no Planalto.

FHC faz questão de ressaltar que não se trata "de um golpe". "Dele não se cogita, porque inaceitável", afirma. O tucano diz que é preciso um "reconhecimento explícito da situação pré-falimentar em que nos encontramos". "Disto se trata agora: o país quebrou, a economia vem sendo arrastada para o fundo do poço e a desilusão da sociedade só faz aumentar."

O tucano voltou a explicar o texto em que apontou a renúncia de Dilma como um dos caminhos para a solução da crise. "Por que me referi à renúncia? Porque, no fundo, é este o grito parado no ar. Não foi a única alternativa que coloquei, mas foi a que, subconscientemente, à maioria dos que me leram pareceu ser a solução mais simples e menos custosa para sairmos do impasse", disse.

Ele afirma que foi criticado por diversos setores após a fala, argumenta que a renúncia não parece a saída mais provável "dada a personalidade de quem teria de fazer o gesto de grandeza".

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

DIÁRIO OFICIAL

Governo publica lei que anistia multas de partidos políticos

INTERNACIONAL

Países da Opep debaterão produção de petróleo em junho

BARÃO DE COCAIS

Cidade mineira vive tensão com risco de rompimento de barragem

WEB

Relatório aponta problemas que afetam "saúde" da internet

Mais Lidas