Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

RIO AMAZONAS

Familiares de vítimas de naufrágio no Pará planejam ação contra empresa

As famílias reclamam de demora para retirar a embarcação do fundo do rio

3 SET 17 - 16h:41FOLHAPRESS

Familiares de nove desaparecidos no naufrágio que ocorreu no Pará em 2 de agosto planejam entrar com ação judicial nesta segunda-feira (4), questionando a empresa Transportes Bertolini Ltda., proprietária do rebocador que afundou após bater em um navio cargueiro no rio Amazonas.

Um mês após o naufrágio, as famílias reclamam de demora para retirar a embarcação do fundo do rio -acredita-se que os corpos dos desaparecidos estejam no rebocador. O veículo foi encontrado por um radar a 63 metros de profundidade, em um ponto a 15 quilômetros de onde ocorreu o acidente.

Um ato com as famílias está marcado para 8h desta segunda, momento em que a ação será ajuizada, em frente ao fórum de Santarém, onde o caso está sendo investigado e onde fica a sede da Bertolini.
Os desaparecidos faziam parte da tripulação do rebocador. Duas pessoas sobreviveram.

O objetivo da ação é cobrar celeridade no resgate dos corpos. "Queremos ver se as autoridades conseguem fazer cumprir a retirada da embarcação e também para dar uma resposta concreta aos familiares, tranquilizar a agonia que estamos passando", afirma Gilmar dos Santos Brito, irmão de Juraci dos Santos Brito, um dos desaparecidos.

A Transportes Bertolini tem até o dia 15 de setembro para apresentar uma empresa e um plano de resgate à Marinha. O prazo para retirar o rebocador é até novembro -o tempo de espera foi considerado longo demais pelos familiares.

"Nós sabemos que, quanto mais demora, pior fica, porque o rio Amazonas vai aterrando, e depois não tem como tirar se estiver preso no fundo", diz Brito.

O Ministério Público Federal e o Corpo de Bombeiros também dizem que há risco de que o resgate fique inviável caso ocorra só daqui a dois meses, quando o barco pode estar soterrado.

Na quinta-feira (31), a partir das 6h30, as famílias protestaram em frente à Bertolini, impedindo a passagem de veículos e funcionários pelos portões. A manifestação durou até o fim da sexta (1º) -os parentes montaram uma tenda e continuaram no local mesmo durante a madrugada.

O bloqueio só foi desmobilizado por uma ordem judicial, que estabeleceu multa de R$ 5 mil caso os familiares não liberassem os portões.

Segundo a Transportes Bertolini, os parentes estavam realizando "atos de violência e vandalismo", embora estivessem sendo informados do cronograma para retirada do barco.

O juiz afirmou que a manifestação, "não obstante ser legítima, está impedindo o livre exercício das atividades da empresa" e determinou o fim do protesto.

No último dia 14, os familiares já haviam organizado uma manifestação em frente à sede do MPF em Santarém.

COBRANÇA

O Ministério Público Federal do Pará e a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) cobram maior celeridade da Bertolini na retirada do rebocador.

A empresa enviou informações ao MPF após ser intimada na semana passada.

O órgão agora analisa as informações prestadas como a "rota operada pela embarcação, quais providências emergenciais foram tomadas pela empresa, que apoio está sendo dado tanto às vítimas quanto aos seus familiares, documentação da embarcação e planos de emergência".

A Polícia Civil e a Marinha também investigam as responsabilidades pelo acidente.

O naufrágio ocorreu na madrugada de 2 de agosto, próximo à cidade de Óbidos (PA).

O rebocador e um comboio de oito balsas bateram num navio cargueiro da Mercosul Santos que seguia para Manaus (AM). As balsas levavam milho e iam de Porto Velho (RO) a Santarém.

OUTRO NAUFRÁGIO

No dia 22 de agosto, outro naufrágio deixou 23 mortos no interior do Pará.

O acidente aconteceu no rio Xingu. O barco deixou o porto improvisado da praça Tiradentes, em Santarém, com destino a cidade de Vitória do Xingu (PA). O naufrágio ocorreu em Vila do Maruá, numa região conhecida como Ponta Grande.

A embarcação fazia o transporte clandestino de passageiros, segundo a Arcon (Agência Estadual de Regulação e Controle de Serviços Públicos), autarquia do governo do Pará responsável por regular o transporte intermunicipal.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

SESSÃO ENCERRADA

Barroso vota a favor da prisão após condenação em 2ª instância; placar é de 3 a 1

CCJ vota PEC paralela da Previdência em novembro, diz senadora
BRASÍLIA

CCJ vota PEC paralela da Previdência em novembro, diz senadora

Senado conclui votação da reforma da Previdência
BRASÍLIA

Senado conclui votação da reforma da Previdência

Veja o que muda na sua aposentadoria com a reforma da Previdência
TIRE SUAS DÚVIDAS

Veja o que muda na sua aposentadoria com a reforma da Previdência

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião