LAVA JATO

Ex-presidente do BNDS<br> depõe hoje em defesa de Lula

Na ação penal, MPF acusa o ex-presidente de receber como propina um terreno
23/06/2017 10:52 - G1


O juiz Sergio Moro vai ouvir nesta sexta-feira,23, o ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho. Ele vai depor na condição de testemunha de defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no processo em que o petista é acusado de receber propina da Odebrecht.

Além dele, também vai depor o ex-governador de São Paulo, Cláudio Lembo e o ex-ministro do governo Lula, Luiz Fernando Furlan. Nesta audiência, Moro também deve ouvir outras duas testemunhas de Lula e mais uma testemunha do réu Branislav Kontic, ex-assessor do ex-ministro Antônio Palocci.

À tarde, Moro segue ouvindo mais três funcionários da Petrobras, que foram arrolados como testemunhas pela defesa de Lula.

O processo

Nesta ação penal, o Ministério Público Federal (MPF) acusa o ex-presidente de receber como propina um terreno onde seria construída a nova sede do Instituto Lula e um imóvel vizinho ao apartamento do petista, em São Bernardo do Campo (SP).

De acordo com a força-tarefa da Lava Jato, esses imóveis foram comprados pela Odebrecht em troca de contratos adquiridos pela empresa na Petrobras.

Lula responde, neste processo, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Outras sete pessoas também são rés. A ex-primeira dama Marisa Letícia chegou a ser acusada, contudo, Moro decretou a impossibilidade de puni-la. Marisa Leticia morreu em fevereiro deste ano.

O ex-presidente nega as acusações, e o Grupo Odebrecht tem afirmado que tem colaborado com as investigações. Instituto Lula afirmou que "nunca teve outra sede a não ser o sobrado onde funciona até hoje, adquirido em 1990 pelo Instituto de Pesquisas e Estudos do Trabalhador (IPET)".

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".