Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Proposta

EUA sugerem sanções da ONU para
cortar exportações norte-coreanas

5 AGO 17 - 13h:56Agência Brasil

Os Estados Unidos propuseram ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) uma resolução para aumentar as sanções contra a Coreia do Norte e reduzir até em US$ 1 bilhão ao ano os lucros do país com exportações, conforme informaram nesta sexta-feira (4) fontes diplomáticas.

O texto chega depois de algumas semanas de negociações entre Estados Unidos e China e responde aos dois recentes testes com mísseis balísticos intercontinentais feitos pelo Executivo em Pyongyang.

Uma fonte do Conselho de Segurança afirmou à Agência EFE que a previsão é de que a resolução seja votada hoje (5). Se for aprovada, ela endureceria ainda mais as fortes penalidades internacionais que já pesam sobre a Coreia do Norte, introduzindo novos vetos a determinadas exportações e controles mais restritos, entre outras medidas.

"Peço a todo o Conselho de Segurança que apoie a nova resolução de sanções à Coreia do Norte", afirmou o embaixador britânico perante a ONU, Matthew Rycroft, em mensagem no Twitter.

Rycroft destacou que as medidas custariam à Coreia do Norte aproximadamente US$ 1 bilhão em novas proibições de vendas ao exterior e controles mais duros para algumas medidas já em vigor.

A embaixadora norte-americana perante as Nações Unidas, Nikki Haley, anunciou em 5 de julho que o seu país iria apresentar em breve um projeto de resolução para aumentar a pressão contra o regime de Kim Jong-un depois das últimas provocações.

Os Estados Unidos iniciaram então negociações com a China, o principal apoio da Coreia do Norte no Conselho de Segurança, para tentar conseguir um acordo e levá-lo depois aos demais membros. As discussões, desenvolvidas em sigilo, avançaram muito lentamente, dando tempo de Pyongyang testar um novo míssil na semana passada.

Desde o começo do processo, a Rússia se mostrou muito crítica, questionando a conveniência de aumentar as sanções. O o governo russo também mantém divergências com o Ocidente sobre a análise técnica dos últimos testes norte-coreanos.

Enquanto a maior parte da comunidade internacional considera que os projéteis disparados são mísseis balísticos intercontinentais, capazes, por exemplo, de alcançar o Alasca, Moscou fala em foguetes de médio alcance, parecidos a outros testados anteriormente.

A Coreia do Norte está proibida pelo Conselho de Segurança de fazer este tipo de ensaio por conta das sanções contra o seu programa nuclear, que significativas restrições econômicas e diplomáticas.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

MALHA VIÁRIA

Governo quer conceder 16 mil km de rodovias à iniciativa privada

Segunda Turma do STF adia julgamento de habeas corpus de Lula
ATÉ AGOSTO

Segunda Turma do STF adia julgamento de habeas corpus de Lula

BRASIL

Ministério da Agricultura divulga registro de 42 agrotóxicos

BRASIL

MP de diz perplexo com devolução de demarcação de terras indígenas à Agricultura

Mais Lidas