AMEAÇA MUNDIAL

EUA dizem que coronavírus é ameaça séria, mas que não houve novos casos no país

Autoridades informaram que não houve "por ora" novos casos
28/01/2020 13:56 - ESTADÃO CONTEÚDO


O Centro de Controle de Doenças (CDC, na sigla em inglês) realiza entrevista coletiva nesta terça-feira, 28, na qual reforçou o risco representado pelo coronavírus. Ao mesmo tempo, as autoridades informaram que não houve por ora novos casos registrados da doença no país, portanto eles seguem em cinco, sem evidências de transmissão em solo americano.

"O coronavírus é uma ameaça muito séria à saúde pública", alertou uma das autoridades presentes no evento, o secretário de Saúde, Alex Azar. Ele disse que não houve novos casos, no balanço mais recente, porém ressaltou que as autoridades têm reforçado controles e seguem cautelosas sobre o assunto.

Diretor do CDC, Robert Redfield disse que o risco do novo vírus é "baixo, neste momento", para os EUA. De qualquer modo, as autoridades presentes pediram que todos tenham cautela e lembraram que não há terapia comprovada para o coronavírus, por enquanto, mas informaram que pesquisadores americanos já trabalham em terapias e eventuais vacinas. Além disso, lembraram que os EUA orientaram seus cidadãos a não realizar "viagens desnecessárias" à China, o epicentro do problema.

Questionado, Azar disse que não está descartada uma eventual restrição a viagens à China e que o quadro tem sido monitorado constantemente. O secretário de Saúde americano também comentou que há um intercâmbio positivo com os chineses e que equipes americanas devem auxiliar a potência asiática no caso.

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".