Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

POR MEDO

Estudantes japoneses deixam universidade em Hong Kong

Universidade cancelou todas as aulas a duas semanas do fim do semestre

16 NOV 19 - 20h:00AGÊNCIA BRASIL

Estudantes japoneses que cursam uma universidade em Hong Kong, onde vêm acontecendo confrontos violentos, começaram a retornar ao país em meio a contínuos tumultos causados por protestos.

A Universidade Chinesa de Hong Kong cancelou todas as aulas a duas semanas do fim do semestre, após confrontos violentos entre estudantes e policiais. Eles jogaram um contra o outro coquetéis molotov e gás lacrimogênio no campus.

Ichika Kita, de 19 anos, aluna da Universidade Sophia em Tóquio, estuda o idioma chinês na faculdade em Hong Kong desde agosto. Ela planejava ficar até meados de dezembro, mas antecipou o regresso e deixou a universidade na noite de quinta-feira.

Kita disse que teve que fazer as malas às pressas para deixar o local após ser avisada, repentinamente, que o dormitório seria fechado. Ela afirmou que o campus se transformou em um campo de batalha e que os alunos estavam ajudando os feridos.

Segundo Kita, muitos estudantes diziam que a polícia poderia efetuar busca na universidade em breve. Ela disse que muitas barricadas foram instaladas e que os alunos se preparavam para lutar até o fim. Kita afirmou que estava preocupada com os amigos e estudantes da universidade, após a saída de todos os alunos estrangeiros.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

MORTE EM BAILE FUNK

Doria repete que não tem 'compromisso com o erro' ao falar sobre Paraisópolis

MUNDO

Coreia do Norte recusa-se a falar de desnuclearização com os EUA

MUDANÇAS

Congresso do PSDB vai marcar guinada à direita

Governador de MS, Reinaldo Azambuja, participa do evento
CONGRESSO NACIONAL

Bancada ruralista cobra apoio e se afasta do governo

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião