Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Educação

Escolarização no Brasil
está 20 anos atrás de
vizinhos, diz ex-ministro

5 SET 15 - 21h:00Folhapress

O Brasil está mais de 20 anos atrasado em relação a países vizinhos como o Chile em termos de escolarização. O caminho é longo para se recuperar, mas possível, defendeu nesta semana Pedro Malan, ex-ministro da Fazenda e vice-presidente do Conselho do Instituto Unibanco.

O instituto realizou com a Folha de S.Paulo o Seminário Internacional Caminhos para a Qualidade da Educação Pública: Gestão Escolar, em São Paulo.

De acordo com o Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), em 2013, a média de anos de estudos no Brasil era de 7,2 anos enquanto no Chile o índice chegava a 9,8 anos. Outro vizinho sul-americano, a Bolívia, tinha 9,2 anos como média de escolaridade.

Malan disse, porém, que eventos como o seminário, que teve os lugares esgotados, demonstram o interesse pelo tema e a disposição de diversos setores da sociedade de trabalhar para que o atraso seja recuperado. Para isso, o Brasil deveria se espelhar em exemplos bem-sucedidos em gestão pública da educação.

"Experiências exitosas de outros países e alguns Estados e municípios brasileiros, testadas e fundamentadas em resultados empíricos, nos indicam que caminhos devemos tomar." Seria melhor, portanto, considerar esses exemplos do que tentar "reinventar a roda".

Em sua fala, o secretário de Redação da Folha Vinicius Mota afirmou que é alentador, em um momento triste política e economicamente, constatar que processos importantes para o desenvolvimento do país continuam em marcha e que "este seminário é prova inequívoca disso".

Mota disse ainda que, apesar do descaso histórico do poder público nacional com o empoderamento do cidadão, a educação foi colocada nos trilhos desde a redemocratização e que o desenvolvimento e a justiça social foram atrelados ao nível de instrução de cada brasileiro.
Manuel Palácios, secretário de Educação Básica do MEC (Ministério da Educação), também exaltou a democracia como o principal ativo para a melhora da gestão pública na educação.

"Não simplesmente do ponto de vista das instituições políticas, mas a democracia trouxe a percepção de que devemos ter direitos e oportunidades iguais."

Palácios concluiu sua intervenção dizendo que os cinco pontos que estruturam o seminário são os mais relevantes para a gestão educacional no país e que todos deverão "sair animados com novas possibilidades e novas ideias".

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

EDUCAÇÃO

ProUni abre inscrições no dia 11 de junho para bolsas no 2º semestre

TEMPO INDETERMINADO

Funcionários da Avianca anunciam nova greve para esta sexta

POLÊMICA

'Adoção na Passarela' remete às feiras de escravos, dizem juízes

HABEAS CORPUS

STM solta nove envolvidos em caso de músico morto no Rio de Janeiro

Mais Lidas