Campo Grande - MS, segunda, 20 de agosto de 2018

Violência

Enfermeira é morta com tiro
na cabeça ao deixar plantão no Rio

8 OUT 2017Por FOLHAPRESS16h:04

Uma enfermeira que trabalhava no Hospital Getúlio Vargas, no Rio, morreu baleada na cabeça por assaltantes na noite deste sábado (7), quando voltava para casa após um plantão de 12 horas.

Ângela Cunha estava na garupa da moto do marido, na rodovia Presidente Dutra. O casal morava em São João de Meriti e havia acabado de sair da unidade hospitalar.

Segundo testemunhas, os assaltantes também estavam em uma moto e apontaram a arma na direção do rosto da enfermeira. O marido teria reduzido a velocidade para parar e, nesse momento, um dos criminosos atirou.
Nas redes sociais, amigas de Ângela fizeram homenagens e escreveram sobre a enfermeira.

Uma delas havia trabalhado no mesmo plantão do hospital, ao lada da vítima.

"Você estava radiante, fazendo planos, feliz, linda, tivemos um plantão tranquilo e isso foi interrompido da maneira mais trágica", escreveu.

"Dia de festa que se transforma em tristeza e muita reflexão. Que mundo cruel, uma hora estamos aqui com uma colega de equipe que faz planos, brinca, ri, fala de futuro e um dia depois vira estatística", escreveu outra.

A morte da enfermeira será investigada pela Delegacia de Homicídios da capital.

Pesquisa Datafolha mostra que, se pudessem, 72% dos moradores dizem que iriam embora do Rio por causa da violência. O desejo de deixar a cidade é majoritária em todas as regiões e faixas socioeconômicas - foram ouvidas 812 pessoas, e a margem de erro do levantamento é de quatro pontos percentuais, para mais ou para menos.

Nas últimas semanas, segundo o Datafolha, um terço dos moradores mudou sua rotina e presenciou algum disparo de arma de fogo. O levantamento revela que 67% das pessoas ouviram algum tiro recentemente.

Leia Também