Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ACUSADO DE CORRUPÇÃO

Em Praga, tchecos fazem manifestação contra primeiro-ministro

Política enfrenta uma série de acusações de corrupção e um inquérito
16/11/2019 21:00 - AGÊNCIA BRASIL


Mais de 200 mil tchecos, segundo a polícia, concentraram-se este sábado (16) no centro de Praga para pedir a saída do primeiro-ministro Andrej Babis, acusado de corrupção, na véspera do 30º aniversário da Revolução de Veludo que derrubou o comunismo na antiga Tchecoslováquia.

Antigo comunista, o chefe de governo populista, Andrej Babis, enfrenta uma série de acusações de corrupção e um inquérito da Comissão Europeia sobre um eventual conflito de interesses relacionado com a sua holding, que reúne empresas agrícolas  e do setor químico. O primeiro-ministro rejeita as acusações.

Babis é também identificado como agente nos dossiers secretos da polícia dos anos 80, o que ele também desmentiu. O seu governo de coligação minoritário é apoiado no parlamento pelo partido comunista.

"Mais de 200 mil pessoas" participam da manifestação enquanto outras chegam ao Parque Letna, no centro de Praga, explicou a polícia tcheca através da rede social Twitter.

A manifestação é organizada pelo movimento Um Milhão de Momentos pela Democracia, que pediu ao primeiro-ministro para encontrar uma solução para os seus conflitos de interesses ou retirar-se do cargo.

A concentração de protesto realiza-se na véspera do 30º aniversário da Revolução de Veludo, quando manifestações sem precedentes e uma greve geral acabaram com quatro décadas de totalitarismo imposto pela União Soviética no que era então a Tchecoslováquia.

Em junho, cerca de 250 mil pessoas concentraram-se em Praga pedindo a saída Babis na maior manifestação organizada desde a Revolução de Veludo.

Felpuda


As conversas vêm acontecendo muito, mas muito reservadamente mesmo, e dão conta de que suplente poderá receber convocação, assumir a titularidade do cargo e por lá ficar por tempo indeterminado. Como é óbvio, tem gente jurando que nunca ouviu nem sequer falar sobre o assunto. O motivo não seria nada ligado a possíveis atos de irregularidades, mas sim por problemas de ordem pessoal.