Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 23 de janeiro de 2019

Dados são de associação

Doação de órgãos cresce 12% este ano

De janeiro a junho deste ano foram, realizados, no Brasil, 4.208 transplantes

27 SET 2017Por Radio Agência Nacional12h:36

No Brasil, o número de doadores vem crescendo. No primeiro semestre deste ano aumentou quase 12%. Passamos de mais de 14 doadores para cada 1 milhão de pessoas para mais de 16 por milhão de habitantes.

Na Espanha, que é referência na doação de órgãos, são quase 40 doadores para cada milhão de indivíduos. Os dados são da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO).

Para lembrar sobre a importância de avisar a família sobre o desejo de doar órgãos, em 27 de setembro é comemorado o Dia Nacional da Doação de Órgãos. Durante todo o mês ocorre o Setembro Verde para reforçar a importância da doação.

A professora Aline Santos entrou na fila de transplantes de órgãos, em janeiro de 2014. Ela teve uma doença autoimune que atingiu o fígado. Devido ao estado de saúde bem delicado, a jovem era a primeira da fila, mas a doação do fígado que salvou sua vida ocorreu no dia 26 de junho do mesmo ano.

Sua expectativa de vida era de seis meses. Aline explica como tudo mudou após o transplante.

“Depois do transplante eu ganhei uma nova vida, voltei a trabalhar, estudar. Eu fique muito grata a essa família porque, em situação de dor, ela fez esse gesto de amor que salvou a minha vida. Eu tinha 23 anos e já não tinha assim, uma expectativa de vida muito alta.”

O auxiliar-administrativo Brenno Rezende é primo de Aline é já avisou para a família sobre sua intenção de doar todos os órgãos.

“Já cheguei a conversar, comentar com meus familiares e se acontecer alguma coisa, eles têm toda autonomia para tomar a decisão.”

Existe o mito que o processo de doação pode ocorrer com chances da pessoa ainda estar vida. O vice-presidente da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos, Paulo Pegô, esclarece que a doação só pode acontecer após um rigoroso processo de confirmação da morte cerebral.

“Você tem que ter o diagnóstico de morte cerebral [feito] por um médico que não faça parte de uma equipe de transplantes. Esse diagnóstico tem que ser confirmado por outro médico, seis horas depois é confirmado esse diagnóstico. Além disso tem que ser confirmado por exames como o eletroencefalograma ou doppler de carótidas mostrando que o cérebro não tem mais funcionamento.”

De janeiro a junho deste ano foram, realizados, no Brasil, 4.208 transplantes de órgãos. A maioria de doadores falecidos, portantoavise sua família da intenção de doar os seus, no caso de morte cerebral. Este simples ato pode salvar várias vidas.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também