Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

OPERAÇÃO

Desdobramento da Lava Jato no RS apura esquema de R$ 30 mi em obras

16 AGO 17 - 15h:20Alexandre Elmi, Folhapress

A Polícia Federal realizou nesta quarta (16) o primeiro desdobramento da Operação Lava Jato no Rio Grande do Sul.

Cerca de 50 policiais cumpriram mandados de busca e apreensão em Porto Alegre, Glorinha, Canoas, no Rio Grande do Sul, além de Brasília (DF) -todos expedidos pela Justiça Federal no Estado.

O alvo da operação, batizada de Étimo, é um esquema de pagamento de valores a empresas de consultoria de fachada, que teria movimentado pelo menos R$ 30 milhões no período de 2000 a 2011, quando foram realizadas as obras públicas rodoviárias envolvidas na investigação.

Segundo a PF, não houve prisões, apenas o cumprimento de mandados que autorizaram a busca e a apreensão de documentos em residências e escritórios, além do sequestro de bens e quebra de sigilo dos investigados.

A investigação foi conduzida a partir de informações compartilhadas pela Operação Lava Jato no final de 2016. A PF não informou os nomes dos envolvidos nem as obras sob suspeita. Apenas apresentou a estrutura básica das operações, que teriam como eixo a atividade de um doleiro.

Duas entidades empresariais são alvos da investigação, a Areop (Associação Riograndense de Obras Públicas) e o Sicepot-RS (Sindicato da Indústria de Construção de Estradas, Pavimentações e Obras de Terraplanagem).

O esquema detalhado pela PF envolvia o pagamento de contribuições associativas a uma das duas entidades. O aporte seria calculado a partir de um percentual do valor da obra pública federal executada pela empreiteira associada -o que gerou a suspeita dos investigadores. Uma das entidades seria a responsável pela contratação de empresas de consultoria.

"A entidade, então, firmava contratos de assessoria com empresas de fachada, as quais faziam saques de grande quantidade valores em espécie e movimentações financeiras no exterior", afirmou na coletiva o delegado Alexandre Isbarrola, responsável pela Delegacia de Repressão à Corrupção e Crimes Financeiros e um dos delegados que concedeu a entrevista.

De acordo com o esquema descrito por Isbarrola, as três empresas de consultoria seriam de fachada e ligadas a um doleiro. Elas firmaram contratos, predominantemente, de assessoria financeira. A investigação detectou saques expressivos de dinheiro e movimentações de recursos no exterior, em empresas off-shore no Panamá e na Suíça.

Conforme a delegada Ilienara Cristina Karas, da Delegacia de Combate aos Desvio de Recursos Públicos, encarregada da investigação, o padrão de atuação dos investigados pela Étimo é o mesmo já revelado pela Lava Jato.

"São empresas de consultoria do mesmo sócio, no mesmo local, com dois ou três funcionários, estrutura diminuta, com movimentações e saques em espécie", explicou Ilienara. O próximo passo dos policiais federais gaúchos é descobrir o destino do dinheiro.

Embora o alvo esteja em duas entidades associativas, a PF ainda tem dúvidas sobre como se dava a divisão de tarefas. "Uma [entidade] arrecada, a que engloba todas estas empresas que prestam serviços aos órgãos públicos, e quem transfere os recursos é a outra", explicou Ilienara.

A PF não confirmou os nomes dos envolvidos. Em nota, informou que a investigação era um prolongamento da Operação Xepa, a 26ª etapa da Lava Jato, realizada em março de 2016, quando foi preso o doleiro Antonio Carlos Albernaz Cordeiro, conhecido como Toninho Cordeiro.

O doleiro é irmão do presidente da Aerop, Athos Roberto Albernaz Cordeiro. Conforme o site da Aerop e do Sicepot, as sedes das duas entidades têm o mesmo endereço, no centro de Porto Alegre.

Na nota em que comunicou os detalhes da investigação, a PF também explicou o nome da operação, Étimo, que exprime a ideia de origem e "serve de base para uma palavra, a partir da qual se formam outras".

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

MALHA VIÁRIA

Governo quer conceder 16 mil km de rodovias à iniciativa privada

Segunda Turma do STF adia julgamento de habeas corpus de Lula
ATÉ AGOSTO

Segunda Turma do STF adia julgamento de habeas corpus de Lula

BRASIL

Ministério da Agricultura divulga registro de 42 agrotóxicos

BRASIL

MP de diz perplexo com devolução de demarcação de terras indígenas à Agricultura

Mais Lidas