Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

DEBATE

Descriminalização do aborto é pauta da sociedade, dizem ativistas

STF promoveu audiência pública no último dia 3 e 6 para discutir o assunto

11 AGO 18 - 12h:43Agência Brasil

À espera de uma definição da ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), sobre os próximos passos envolvendo a discussão sobre a descriminalização do aborto até a 12ª semana de gestação, favoráveis e contrários intensificam as discussões. Para eles, o assunto tem de estar na pauta da sociedade.

Nos últimos dias 3 e 6, o Supremo Tribunal Federal promoveu audiência pública para discutir o assunto. A ministra Rosa Weber é a relatora da ação e aguarda agora manifestação da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, para decidir.  Há dois dias, o Senado da Argentina rejeitou a proposta de descriminalizar o aborto no país.

A fundadora da União de Mulheres e membro da Comissão Estadual da Verdade de São Paulo, Maria Amélia de Almeida Teles, defende que a Constituição, que não criminaliza a interrupção da gravidez de forma espontânea, prevaleça sobre o Código Penal, que trata do assunto.

“A Constituição Federal não criminaliza o aborto, quer dizer, o Código Penal é que tem que mudar, não é a Constituição, porque ela não penaliza o aborto. Isso seria facilmente resolvido se a Constituição fosse respeitada”, disse Amélia Teles.

 “As jovens estão em um movimento de resistência, elas defendem não só que se tenha o direito de decidir, como decidem fazer o aborto. Estamos falando de uma coisa que já está acontecendo. Mas elas precisam de uma retaguarda, não podem ficar sozinhas, é fundamental articularmos com elas”, acrescentou. 

Para Carmen Barroso, da assessoria sobre Gênero e Direitos Humanos da Organização Mundial da Saúde (OMS), a descriminalização e a legalização devem ser discutidas para que as pessoas pensem sobre o tema. Ela colocou o assunto em pauta quando recebeu o Prêmio de Populações da ONU, em 2016, e contou sobre o aborto que ela fez em 1966.

“[O tema] sensibilizou pessoas que nunca tinham prestado atenção no problema a perceber que aquele era um problema importante e que era um direito das mulheres”, disse. “Algumas pessoas estão em cima do muro porque nunca pensaram sobre o assunto, então tem que ir na mídia e bombardear até que as pessoas prestem atenção”.

Maria Amélia de Almeida Teles defende que a descriminalização e a legalização do aborto devem envolver as mulheres como um todo, de forma coletiva. “O aborto, sendo um tema clandestino, é feito na clandestinidade”.

Divergências

O assunto gera polêmica e opiniões divergentes. O vice-presidente da Comunidade Canção Nova, padre Wagner Ferreira da Silva, disse ser a favor da “integralidade, inviolabilidade e dignidade da vida humana” desde o momento da fecundação e condena qualquer iniciativa na direção de legalizar o aborto no Brasil.

 “O motivo principal que demonstra a impossibilidade de descriminalizar o aborto é o fato de que, desde o primeiro momento de sua existência, o ser humano deve ter seus direitos de pessoa reconhecidos, fundamentalmente o direito à vida”, afirmou. 

O padre Wagner Silva esclareceu que a posição vale também para as situações que a lei permite a interrupção da gravidez: estupro, quando há risco de morte para a mulher e feto com anencefalia.

“São situações dramáticas, sem dúvida, mas que não devem necessariamente motivar uma legalização indiscriminada de práticas abortivas, de modo a desconsiderar o direito inviolável de todo ser inocente à vida, o direito a existir desde o momento de sua concepção”, ressaltou o religioso. 

Maria José da Silva, do Movimento Nacional da Cidadania pela Vida – Brasil Sem Aborto, que fez um aborto após ser estuprada, também é contra à interrupção da gestação mesmo sob garantia da legislação.

“Sou ativista ‘pró-vida’, porque eu tive uma experiência traumática. E meu meio hoje de ajudar as mulheres é conscientizando que o aborto é um mal, o aborto não ajuda, o aborto só destrói”, disse. “Qual é a diferença para a vida do bebê e da mulher, fazer um aborto em caso de estupro?.”

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

AÇÃO TRANCADA

Tragédia de Mariana: 'Inundação é crime de perigo comum', diz TRF-1

Ninguém acerta as 6 dezenas da Mega-Sena e prêmio vai a R$ 105 milhões
LOTERIA

Mega-Sena acumula e prêmio vai a R$ 105 milhões

SUS incorpora remédio contra doença rara em lista de medicamentos essenciais
ATROFIA MUSCULAR ESPINHAL

SUS incorpora remédio contra doença rara em lista de medicamentos essenciais

CCJ mantém cota mínima de candidaturas femininas nas eleições
SENADO

CCJ mantém cota mínima de candidaturas femininas nas eleições

Mais Lidas