Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

OPERAÇÃO CÂMBIO DESLIGO

Delação de doleiros prende ex-diretor
do Bozano e operador da Casa & Video

8 MAI 18 - 07h:16FOLHAPRESS

A delação feita pelos dois principais doleiros do país, Vinicius Claret e Cláudio Barboza, atingiu não só possíveis operadores financeiros de políticos, mas também de dois grupos privados.

Foram alvos da Operação Câmbio, Desligo, na semana passada, o economista Oswaldo Prado Sanches, diretor do grupo Bozano até o mês passado, e Flávio Dib, suspeito de ser o responsável por transações envolvendo a Casa & Vídeo e seu antigo acionista, Luigi Milone.

Os dois são suspeitos de terem feito operações dólar-cabo com Claret e Barboza entre os anos de 2008 e 2016.

A dupla de doleiros é funcionária de Dario Messer, espécie de banqueiro da operação de ambos, ainda foragido.

Sanches foi até o mês passado diretor da companhia Bozano, empresa da família do milionário Julio Bozano, um dos homens mais ricos do país. É por meio dela que ele participa dos diferentes negócios de que é sócio, nos setores de petróleo, aéreo e financeiro, entre outros.

De acordo com o Ministério Público Federal, é atribuído a Sanches a movimentação de US$ 15,9 milhões (o equivalente a R$ 56,5 milhões) por meio dos doleiros. Quase a totalidade das operações tinha como objetivo obter reais em espécie no Brasil. Para isso, eram feitos pagamentos em dólares no exterior em contas indicadas por Claret e Barboza.

Os pagamentos de Sanches no exterior vinham de uma conta do banco Morgan Stanley, agência em Nova York, em nome de Bozano Ltda, de acordo com Claret. O doleiro atribui em seu depoimento as operações para o suspeito como sendo de interesse do banco Bozano Simosen.

O banco Bozano Simosen foi vendido em 2000 para o Santander, mas a operação só foi totalmente concluída em 2011.

Claret, principal contato de Sanches, afirmou à Procuradoria que o grupo Bozano é cliente da família Messer desde a década de 1990.

O juiz Marcelo Bretas determinou o bloqueio de R$ 59,7 milhões em contas vinculadas à companhia Bozano e outra três empresas ligadas a ela. A fortuna de Julio Bozano é estimada em R$ 5,7 bilhões, segundo a revista Forbes, que faz ranking de fortunas.

A operação também levou à prisão de Flávio Dib das Chagas Moura, segundo os doleiros, responsável por operações dólar-cabo de interesse da rede varejista Casa & Vídeo e um de seus sócio, Luigi Milone.

Segundo o sistema financeiro da dupla, Dib movimentou US$ 11,5 milhões (o equivalente a R$ 41 milhões) para a empresa e seu sócio entre 2008 e 2014. A suspeita é que a empresa recorria ao dólar-cabo para pagar a importação de produtos. Ao recorrer ao sistema de dólar cabo, há a suspeita de que incorra em evasão de divisas e sonegação fiscal.

A rede varejista já foi alvo da Operação Negócio da China, em que Milone foi acusado e condenado por evasão de divisas, falsidade documental e descaminho na importação de produtos. As provas do caso, porém, foram anuladas pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça).

A empresa entrou em recuperação judicial em 2009 e passou a se chamar Mobillitá. No curso do processo, o nome da rede foi dado a outra empresa, sem relação com Milone.

OUTRO LADO

A defesa de Oswaldo Prado Sanches afirmou que só vai se manifestar sobre as suspeitas após analisar todo o processo. Já foi pedida a soltura do executivo sob alegação de que os fatos são antigos e não há risco para as investigações.

A companhia Bozano disse, em nota, "que foi surpreendida com a prisão cautelar do ex-diretor".
"A Companhia, que não é alvo da investigação e que não atua no mercado de câmbio, está à disposição das autoridades investigativas para colaborar com os esclarecimentos que se fizerem necessários, registrando, desde já, que os fatos tidos como suspeitos não guardam relação com a sua atuação empresarial", afirma a nota do advogado Pedro Ivo Velloso.

A Casa & Video disse que não tem relação com a antiga empresa de mesmo nome.
"Logo, a Casa & Video, criada no âmbito da recuperação judicial da Mobilitá, não possui responsabilidade alguma pelo período em que a atividade empresarial era exercida pela Mobilitá", afirmou a empresa, em nota.

O advogado Antônio Pitombo, que defende Luigi Milone, afirmou que "os fatos são velhos".
"Isso tudo já foi apurado no processo judicial da Casa e Video. O número é leviano", declarou. A reportagem não localizou a defesa de Flávio Dib.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

MUDANÇAS

Comissão da reforma dos militares suspende sessão pela 2ª vez para buscar acordo

Há reclamação por parte de parlamentares e de policiais
SESSÃO ENCERRADA

Barroso vota a favor da prisão após condenação em 2ª instância; placar é de 3 a 1

CCJ vota PEC paralela da Previdência em novembro, diz senadora
BRASÍLIA

CCJ vota PEC paralela da Previdência em novembro, diz senadora

Senado conclui votação da reforma da Previdência
BRASÍLIA

Senado conclui votação da reforma da Previdência

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião