Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

SAIA JUSTA

Debate na ONU tem bate-boca entre Jean Wyllys e chefe da delegação brasileira

A sua presença aqui envergonha o Brasil, disse Maria Nazareth Farani Azevêdo

15 MAR 19 - 23h:00FOLHAPRESS

Um debate sobre autoritarismo e direitos humanos na sede europeia da ONU terminou nesta sexta (15) em bate-boca entre a chefe da delegação brasileira junto às Nações Unidas, Maria Nazareth Farani Azevêdo, e o ex-deputado federal Jean Wyllys, que participava da mesa.

Um vídeo realizado na sala em que ocorreu o evento mostra a embaixadora, que está na plateia, se levantando para deixar o recinto depois de ter feito uma pergunta a Wyllys, que renunciou ao terceiro mandato e saiu do Brasil após receber ameaças de morte. 

O mediador então pergunta: "A senhora não quer ouvir a resposta dele?". Farani diz: "Desde que eu possa fazer uma tréplica". E ouve: "Desculpe, não é assim que as coisas funcionam".

A diplomata se levanta e deixa seu assento. 

"Por favor, embaixadora, ouça a minha resposta", pede Wyllys. "Se a senhora gosta de debate, deveria ouvir a minha resposta."

E continua: "O fato de a senhora ter saído do seu lugar e vir com um discurso pronto para essa sala é um sintoma mesmo de que a minha presença aqui amedronta a senhora e o seu governo, que não tem compromisso com a democracia, sobretudo em um momento em que a imprensa revela relações entre organizações criminosas, os assassinos de Marielle Franco e a família do presidente da República, que ocupa o Palácio do Planalto".

Nesse momento, de pé, Farani diz: "A sua presença aqui envergonha o Brasil".

Wyllys prossegue: "Agora é a minha vez de falar, embaixadora. Por favor, respeite a democracia". E repete: "Por favor, respeite a democracia, embaixadora".

Farani reage, mas não é possível ouvir com clareza no vídeo o que ela diz. Por fim, a embaixadora começa a caminhar em direção à saída.

"É importante que cada pessoa sempre cuspa na cara de quem faz elogio à tortura", afirma nesse momento Wyllys. "A tortura é um crime de lesa-humanidade. Nós não deveríamos tolerá-la em hipótese alguma, sobretudo envolvendo os que se autoproclamam democráticos. Muito obrigado." 

A plateia aplaude o fim da intervenção do ex-deputado.

A reportagem tentou entrar em contato com a embaixadora e com o ex-deputado, mas não obteve retorno até as 14h desta sexta.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

INCENTIV AUTO

GM anuncia investimento de
R$ 10 bilhões em fábricas de SP

O investimento integra o novo programa de incentivo fiscal do governo paulista
REDUÇÃO

Decreto de Bolsonaro corta 13,7 mil cargos em universidades públicas

As vagas cortadas são uma espécie de adicional pago a servidores públicos que ganham uma função extra
PAUTA EM ANÁLISE

Ações antiterroristas poderão ser discutidas na cúpula do G-20

Próxima reunião acontece na cidade de Osaka, no oeste do Japão
COMÉRCIO INTERNACIONAL

Estados Unidos querem concessão
na OMC para apoiar Brasil na OCDE

Proposta faz parte de uma reforma maior da organização

Mais Lidas