Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, segunda, 19 de novembro de 2018

Coreia do Norte

Coreia do Norte nunca entregará armas nucleares, diz diplomata

22 AGO 2017Por FolhaPress12h:53

A capacidade nuclear de autodefesa da Coreia do Norte nunca estará na mesa de negociações, disse um enviado de Pyongyang nesta terça-feira (22).

O diplomata norte-coreano Ju Yong Chol se pronunciou durante a Conferência sobre Desarmamento promovida pela ONU (Organização das Nações Unida) depois que o embaixador dos Estados Unidos, Robert Wood, disse que a "prioridade máxima" do presidente Donald Trump é proteger seu país e aliados contra a "crescente ameaça" da Coreia do Norte.

"As medidas tomadas pela Coreia do Norte para fortalecer sua capacidade nuclear e desenvolver foguetes intercontinentais são justificáveis e uma opção legítima para autodefesa em face das ameaças tão aparentes e reais" disse Ju ao fórum em Genebra, fazendo referência a "constantes ameaças nucleares" por parte dos Estados Unidos.

Coreia do Norte e EUA viram a tensão entre os dois países aumentar após o progresso rápido do país asiático no desenvolvimento de armas nucleares e mísseis capazes de atingir o território continental norte-americano.

Em julho, a Coreia do Norte realizou testes de mísseis intercontinentais, que repercutiram em todo o mundo. Dias depois, Trump afirmou que o país vai responder com "fogo e fúria" caso Pyongyang faça novas ameaças.

Apesar das declarações, Pyongyang não se intimidou e detalhou plano para atacar a ilha de Guam, no Pacífico. O projeto foi posteriormente suspendido pelo ditador Kim Jong-Un, que advertiu que a sua execução dependeria do comportamento de Washington.

"Enquanto a política hostil e a ameaça nuclear dos EUA continuarem sem contestação, a Coreia do Norte nunca colocará sua capacidade nuclear de autodefesa na mesa de negociações", afirmou o diplomata Ju.

Nesta segunda (21), EUA e Coreia do Sul iniciaram exercícios militares conjuntos. Segundo o o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, as atividades são defensivas e não almejam elevar a tensão na península coreana. Para Pyongyang, entretanto, as manobras são provocações e um teste para invasão de seu território.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também