Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Decisão

CNJ manda TJ tirar placas pretas de carros

1 JUL 17 - 12h:05Folhapress

O CNJ (Conselho Nacional de Justiça) decidiu que os carros de tribunais de todo o país devem substituir as placas especiais de fundo preto por placas comuns. Desembargadores do TJ (Tribunal de Justiça) de São Paulo criticaram a ordem e, após queixas, a instituição resolveu criar uma comissão interna para tentar manter as pla- cas especiais.

No último dia 14, por e-mail, o presidente do tribunal paulista, Paulo Dimas, comunicou aos desembargadores a troca das placas pretas a partir deste sábado (1°).

"Efeito reflexo dessa determinação será prestigiar a discrição e segurança dos motoristas e magistrados, não se vislumbrando prejuízo na rotina de transporte", afirmou o presidente na mensagem.

Dimas ainda acrescentou que abriria diálogo com a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) para tentar isentar os carros do rodízio.
Em seguida, vieram críticas à decisão do CNJ, tanto do ponto de vista administrativo como de segurança.

"Aproveito para solicitar a suspensão da determinação da presidência a respeito [da norma do CNJ], a qual traz desprestígio e insegurança aos magistrados, inclusive com adoção, subsequente, de eventual medida junto ao Supremo Tribunal Federal, caso se entenda cabível", escreveu o desembargador Luis Antonio Ganzerla.

"[Há] 365 desembargadores e cerca de 85 juízes substitutos, os quais estarão sujeitos a toda uma série de inseguranças em um trânsito caótico", completou, dizendo que o risco é pior para os que atuam na área criminal.

"[O CNJ] não pode adentrar na seara administrativa de Estado e dizer como a medida deve ser efetivada", escreveu, na lista de e-mails, o desembargador decano José Carlos de Aquino.

Para ele, a decisão do CNJ ainda violaria o "postulado da isonomia", já que carros de outros Poderes, "como os da Assembleia Legislativa, da Câmara e Prefeitura do Município, dos Tribunais de Conta Municipais e do Estado", não são obrigados a segui-la.

A decisão do CNJ respondeu a um questionamento do TRF (Tribunal Regional Federal) da 3ª Região sobre uso de placas especiais por carros que levam magistrados.

A consulta era de 2014. Em outubro do ano passado, depois de ouvir o Contran (Conselho Nacional de Trânsito), o CNJ decidiu que a lei não prevê placas pretas para todos os desembargadores –somente para os presidentes dos tribunais.

Segundo a CET, carros com placas oficiais devem seguir as regras de trânsito assim como os demais. Um magistrado disse à Folha, sob anonimato, que placas oficiais "sempre abrem algumas portas", como circular em corredores de ônibus.

Em São Paulo, o TRF, o Tribunal Regional Eleitoral e o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região já cumpriram a decisão. O TJ afirmou que parte de sua frota também já tem placas comuns.

Em resposta às queixas, o presidente do TJ escreveu aos colegas que o assunto foi amplamente debatido no Órgão Especial –instância máxima do Judiciário paulista.

"Esta presidência tem empreendido diversas ações em Brasília, sempre defendendo no CNJ, no STF, no STJ [...] que o Poder Judiciário Bandeirante deve ser forte e independente", escreveu Dimas.

"Entretanto, neste caso específico, não devemos buscar uma solução diferente para a questão, tendo em vista que outros interesses [...] merecem defesa mais veemente."

O Órgão Especial instituiu, então, uma comissão, presidida pelo desembargador Ricardo Anafe, para estudar o tema e eventualmente fundamentar uma represen- tação ao Contran para liberar as placas pretas para os tribunais.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CASO COAF

Justiça do Rio julga hoje habeas de Flávio Bolsonaro contra quebra de sigilo

TELECOMUNICAÇÃO

Acordo vai encerrar cobrança de roaming em países do Mercosul

39 QUILOS DE COCAÍNA

Defesa volta a pedir acesso à investigação sobre sargento da FAB

RASTRO DE DESTRUIÇÃO

Recuperação de cidade afetada por rompimento de barragem na BA poderá levar meses

Mais Lidas