Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quinta, 15 de novembro de 2018

Investigação

China vai investigar importações de carne de frango do Brasil

A medida foi anunciada após reclamação da indústria doméstica de que o país está vendendo seu produto abaixo do valor de mercado

18 AGO 2017Por Terra08h:16

A China lançou nesta sexta-feira uma investigação antidumping sobre as importações de carne de frango do Brasil após reclamação da indústria doméstica de que o país está vendendo seu produto abaixo do valor de mercado.

O Brasil, maior exportador global do produto, respondeu por mais de 50 por cento da oferta de produtos de carne de frango para a China, segundo consumidor global, entre 2013 e 2016, de acordo com uma análise preliminar, informou o Departamento do Comércio em comunicado.

Qualquer medida para penalizar as importações avaliadas em mais de 1 bilhão de dólares por ano seria um grande golpe para a indústria brasileira de proteínas, abalada mais cedo neste ano pelas revelações da operação Carne Fraca, que apontou um esquema de propina envolvendo fiscais sanitários e indústrias.

O Brasil substituiu os Estados Unidos como maior fornecedor de frango depois que a China adotou tarifas antidumping sobre os produtos de frango dos EUA em 2010.

A China é o maior consumidor de carnes do Brasil.

A medida vem em um momento em que a indústria da China se recupera do pior surto de gripe aviária do país em anos. O setor ainda lida com a queda da demanda.

"Esta é uma boa notícia para o mercado doméstico de frango", disse um produtor de frango no norte da China, que se identificou com o sobrenome Tan.

"O mercado de frango não tem sido tão bom desde a segunda metade do ano passado. O Brasil está vendendo muito para a China a um preço baixo, enquanto a China possui ampla oferta."

A BRF, maior exportador global de carne de frango, não respondeu imediatamente pedidos de comentários. A associação de exportadores do país, a ABPA, também não comentou o assunto imediatamente.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também