Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

MUNDO

Chilenos vão às ruas comemorar a morte de Contreras

Contreras morreu depois de enfrentar câncer no cólon, hipertensão e diabetes

8 AGO 15 - 21h:00FOLHAPRESS

Chilenos foram às ruas de Santiago e comemoraram a morte do general Manuel Contreras, um dos principais repressores da ditadura de Augusto Pinochet (1973-90). Condenado a mais de 500 anos de prisão, ele morreu nesta sexta-feira (7) no Hospital Militar de Santiago, após enfrentar câncer no cólon, hipertensão e diabetes.

O estado do militar de 86 anos e ex-chefe da temível Direção de Inteligência Nacional (Dina), a polícia secreta de Pinochet, tinha se agravado nas últimas semanas, quando tinham suspendido todos os tratamentos e, a partir de então, só davam a ele paliativos para a dor, de acordo com relatos. Em razão do diabetes, que tinha afetado seus rins, Contreras fazia diálise três vezes por semana.

Um dos idealizadores da Operação Colombo e da Operação Condor, que envolveram nos anos 70 e 80 as ditaduras militares da América Latina em operações coordenadas para eliminar opositores, Contreras estava condenado a mais de 500 anos de prisão em 58 sentenças definitivas e tinha outros 56 julgamentos abertos.

Na quinta-feira (6), o presidente do Partido Comunista do Chile, deputado Guillermo Teillier, tinha pedido ao ministro da Defesa, José Antonio Gómez, a degradação do general Manuel Contreras antes que morresse.
 

Teillier enviou um ofício a Gómez para consultar as razões do por que "Contreras não tinha sido degradado".

Em sua carta, o presidente dos comunistas chilenos destacava que Contreras mantinha sua qualidade de general da República, apesar de o artigo 222 do Código de Justiça Militar estipular que "a pena de morte e as de presídio e reclusão perpétuas leva consigo a degradação".

Teillier lembrou que Contreras somava duas sentenças de prisão perpétua -uma pelo assassinato da família do general Carlos Prat , e outra por 19 sequestros e um assassinato ocorridos na Vila Grimaldi, em Santiago.

Nesta mesma linha, a advogada de direitos humanos Carmen Hertz lamentou nesta noite, em declarações ao "Canal 13", que o militar tenha morrido com a distinção de general, "o que é uma vergonha para o exército chileno".

Os familiares de Contreras disseram aos jornalistas que seu funeral será privado.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Na Índia, Tereza Cristina diz que agricultura brasileira não é vilã
MERCADO

Na Índia, Tereza Cristina diz que agricultura brasileira não é vilã

CHUVA

Governo de Minas Gerais decreta situação de emergência em 47 municípios

AVANÇO

Israel libera viagens à Arábia Saudita para visitas religiosas ou de negócios

Os países não têm relações diplomáticas formais
MORTAL

Wuhan estima outros 1.000 casos confirmados de coronavírus

Ao menos 56 pessoas já morreram em decorrência do vírus

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião