BELO HORIZONTE

Casal é agredido após utilizar serviço do Uber

Casal é agredido após utilizar serviço do Uber
10/08/2015 12:06 - jornal do brasil


 

A polêmica entre motoristas do Uber e taxistas parece não ter fim. No fim da noite da última sexta-feira (7), o músico Marcel Telles e a jornalista Luciana Machado foram cercados e xingados enquanto embarcavam em um carro do serviço alternativo, em uma avenida da região leste de Belo Horizonte, capital de Minas Gerais.

De acordo com o depoimento da jornalista, publicado em seu perfil no Facebook, o casal e o motorista do carro foram ameaçados por três taxistas. Marcel tentou argumentar mas acabou agredido. Também em uma página na rede social, o músico publicou imagens com as marcas da agressão e um relato sobre o caso. Segundo o desabafo de Luciana, essa é a segunda vez que o casal passa por essa situação.

“Na primeira vez, eu e Marcel estávamos em frente ao hotel Ouro Minas aguardando o Uber. Quando ele chegou, um taxista parou na frente dele, tentando impedir que saíssemos com o carro. Reclamamos indignados, e conseguimos ir embora. Na última vez foi muito pior", disse.

Ainda de acordo com o relato da jornalista, os taxistas foram embora após uma ronda da polícia passar próximo ao local.

“Ingenuamente e muito nervosa, eu só fiz um pedido aos policiais militares que ali chegaram: por favor, nos ajude a sair daqui com segurança. Os militares nem sequer pararam o carro, desceram ou registraram o ocorrido", escreveu.

Por meio de nota, o Uber classificou o ocorrido como inaceitável. A empresa ainda "reafirma que oferece por meio de seus parceiros uma nova modalidade de transporte urbano que complementa a rede pública de transporte. Acreditamos que ideias são à prova de violência e que o cidadão precisa ter garantido seu direito de escolha no Brasil".

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".