DELAÇÃO

Cabral adquiriu R$ 10 milhões em<br> joias com dinheiro de propina, diz MPF

Cabral adquiriu R$ 10 milhões em<br> joias com dinheiro de propina, diz MPF
08/06/2017 14:11 - G1


 

Os investigadores da Lava Jato no Rio descobriram que o ex-governador Sérgio Cabral adquiriu 41 joias na joalheria H.Stern e não 11, como havia sido descoberto até agora. A conclusão aconteceu após a delação premiada feita por sócios e diretores da joalheria. Os depoimentos foram homologados pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio.

Por essas 30 peças a mais, entre brincos e cordões, Cabral pagou algo em torno de R$ 4 milhões. De acordo com os relatos, por um par de brincos de ouro branco com brilhante foi gasto R$ 1,2 milhão. As investigações até agora listavam 66 peças que somavam R$ 6,9 milhões. Dessas, 55 eram da joalheria Antonio Bernardo.

Prestaram depoimentos ao juiz Marcelo Bretas, o presidente do grupo Roberto Stern; o vice, Ronaldo Stern; o diretor financeiro Oscar Goldenberg e a diretora comercial Maria Luiza Trotta. Eles deverão pagar multas que totalizam R$ 18,9 milhões.

Os herdeiros pagarão cada um R$ 8,95 milhões e os diretores R$ 500 mil cada. A joalheria ainda se comprometeu a emitir nota para cada uma das joias adquiridas por Cabral e sua mulher, Adriana Ancelmo e, a partir daí, acertar as suas contas com a Receita Federal.

Pessoas que também teriam adquirido joias sem nota fiscal estão sendo investigadas pela Força-tarefa da Lava Jato no Rio.

A defesa de Sérgio Cabral informou que prestará esclarecimentos no processo.

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".