Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

DECLARAÇÃO CONJUNTA

Brasil e mais 11 países condenam repressão política na Venezuela

11 AGO 18 - 23h:00AGÊNCIA BRASIL

O Brasil e mais 11 países (Argentina, Canadá, Colômbia, Costa Rica, Chile, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai e Peru), que formam o chamado Grupo de Lima, emitiram declaração hoje (11) condenando a repressão e a perseguição política na Venezuela.

O grupo apela para o respeito à democracia e aos direitos humanos, a libertação de presos políticos e a busca por solução interna para crise que se passa no país. Também sugere a realização de “eleições livres, democráticas e transparentes”.

A reação dos 12 governos ocorre no momento em que o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, aponta como responsáveis pelo suposto atentado contra ele, no último dia 4 em Caracas, os deputados de oposição Juan Carlos Requesens e Julio Borges.

O governo da Venezuela divulgou que drones foram utilizados na tentativa de atingir o presidente da República. Também informou que 19 pessoas foram presas, Requesens foi detido e há uma ordem de prisão contra Borges.

Inquietação

A declaração conjunta do Grupo de Lima afirma que os 12 países "expressam sua profunda inquietude pela utilização de instituições de segurança e aplicação da lei do Estado venezuelano para perseguir adversários políticos, o que demonstra mais uma vez a ruptura da ordem democrática e a violação da Constituição daquele país, contrariando a vontade do povo venezuelano”.

O Brasil e demais países apelam para a “libertação imediata”  de todos os presos políticos na Venezuela e exigem o respeito às “garantias e às liberdades políticas” dos cidadãos venezuelanos, assim como a “convocação de eleições livres, transparentes e democráticas”.

Reação

Na declaração conjunta, os países que compõem o Grupo de Lima são categóricos. “Diante das recentes ações de repressão empreendidas contra os deputados da Assembleia Nacional da República Bolivariana da Venezuela, repudiam qualquer tentativa de manipular o incidente ocorrido em 4 de agosto para perseguir e reprimir a dissidência política.”

Em outro trecho, a declaração afirma que o Brasil e os demais 11 países “condenam e rechaçam firmemente a violação do devido processo legal e das normas internacionais em matéria de aplicação da lei e de respeito aos direitos humanos, durante a detenção arbitrária, ilegal e sem investigação prévia” do deputado Requesens e do mandado de prisão emitido contra Borges.

Para o Grupo de Lima, há violações à Convenção Americana sobre Direitos Humanos, à Declaração Americana dos Direitos e Deveres do Homem e à Carta da Organização dos Estados Americanos.

Atentado

A declaração recomenda ainda que seja feita uma investigação “independente, exaustiva e transparente” sobre a suspeita de atentado contra Maduro há uma semana. “Com o objetivo de esclarecer os fatos de maneira imparcial, com absoluto respeito ao estado de direito e aos direitos humanos.”

O Brasil e as 11 nações reiteram que a declaração conjunta não é uma ingerência na Venezuela, nem tentativa de interferência, pois a defesa é que a solução para a crise no país deve ser tomada internamente.

“[O  Grupo de Lima] ao reiterar que só os venezuelanos podem encontrar a solução para a grave crise que afeta esse país irmão, reafirma seu compromisso de seguir tomando medidas e iniciativas para contribuir para a restauração das instituições democráticas, o respeito aos direitos humanos e a plena vigência do estado de direito na Venezuela.”

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

AÇÃO TRANCADA

Tragédia de Mariana: 'Inundação é crime de perigo comum', diz TRF-1

Ninguém acerta as 6 dezenas da Mega-Sena e prêmio vai a R$ 105 milhões
LOTERIA

Mega-Sena acumula e prêmio vai a R$ 105 milhões

SUS incorpora remédio contra doença rara em lista de medicamentos essenciais
ATROFIA MUSCULAR ESPINHAL

SUS incorpora remédio contra doença rara em lista de medicamentos essenciais

CCJ mantém cota mínima de candidaturas femininas nas eleições
SENADO

CCJ mantém cota mínima de candidaturas femininas nas eleições

Mais Lidas