RIO DE JANEIRO

Bebê baleado ainda na barriga da mãe respira por aparelhos

Ele está sedado e nasceu paraplégico em função do tiro
02/07/2017 11:24 - Folhapress


 

O bebê Artur, baleado quando ainda estava na barriga da mãe Claudineia dos Santos Melo, permanece internado neste domingo (2) em estado grave. Ele está sedado e respira por aparelhos. A mãe já está acordada e lúcida. Ao recuperar os sentidos, a primeira pergunta que fez foi sobre o estado de saúde do filho, que nasceu numa cesariana de emergência. Os dois estão em hospitais diferentes. Artur foi transferido para o Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em razão da gravidade de seu quadro.

O secretário de Saúde de Duque de Caxias, José Carlos Oliveira, afirmou que o bebê está paraplégico.
Melo foi baleada na favela do Lixão, em Duque de Caxias (Baixada Fluminense), quando estava na 39ª semana de gravidez. O projétil atingiu o quadril da mulher para, em seguida, atravessar o tórax e o pulmão do bebê, que teve também uma lesão neurológica na coluna.

Ela havia saído para o mercado quando foi baleada. De acordo com a Polícia Militar, agentes haviam acabado de realizar uma operação na favela quando, na saída, foram alvos de tiros. A PM afirma que não houve revide. "Naquele momento as guarnições foram chamadas por transeuntes dizendo que havia uma pessoa baleada na Rua Frei Fidelis. A vítima, uma mulher grávida, foi atingida por disparo de arma de fogo na perna", diz nota da PM.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".