INVESTIMENTOS TECNOLÓGICOS

Balanço aponta crescimento de 2% em investimentos em tecnologia da informação

No Brasil, investimentos no setor apresentaram desaceleração de 3,6%
27/06/2017 13:10 - Idgnow


Balanço mundial sobre investimentos em TI mostra um crescimento de 2% em 2016, para US$ 2,03 trilhões. No Brasil, em contrapartida, os investimentos apresentaram desaceleração como impacto direto da crise econômica e da valorização do dólar no período. O total de gastos das empresas com TI no país somou US$ 38 bilhões, um recuo de 3,6% na comparação com 2015.

Para este ano, a previsão é que haja uma recuperação dos investimentos em TI no Brasil, da ordem de 6,7%, o que, se confirmado, representará o dobro do crescimento previsto para o mercado global.

Os dados fazem parte do estudo anual “Mercado Brasileiro de Software e Serviços” da Abes (Associação Brasileira das Empresas de Software), em parceria com a IDC. Pela primeira vez em 12 anos, desde que o levantamento começou a ser feito pela Abes, o Brasil perdeu duas posições no ranking mundial e passou do 7º para 9º lugar. Desde o primeiro levantamento, em 2005, o país vinha se mantendo na sétima posição. No quadro da América Latina, entretanto, o mercado brasileiro mantém a liderança em investimentos no setor, respondendo por 36,5% da receita total, que foi de US$ 105,3 bilhões.

“A recessão teve impacto direto nos resultados e a alta do dólar puxou a conversão dos números do setor para baixo. Mesmo tendo o Brasil apresentado queda nos investimentos, ainda ocupa um lugar importante, estando no mesmo grupo de países como Alemanha, Estados Unidos e França, o que mostra a relevância do mercado interno de TI”, aponta Jorge Sukarie, presidente do Conselho da Abes.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".