Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 16 de janeiro de 2019

POLÊMICA

Antes de ganhar mega salário no BB, filho de Mourão trabalhava em MS

Ele era analista da Superintendência de Varejo do BB do Estado

12 JAN 2019Por GABRIELA COUTO COM YAHOO11h:18

Antes de chegar em Brasília e ser alvo do polêmico salário de assessor especial do presidente do Banco do Brasil, Antonio Hamilton Rossell Mourão, filho do vice-presidente Hamilton Mourão, era analista da Superintendência de Varejo do BB em Mato Grosso do Sul.

Somente em julho de 2008 que Antonio voltou para o Distrito Federal, como analista sênior. Agora ele vai receber mais de R$ 30 mil no novo cargo. O triplo do seu salário foi o que motivou críticas de internautas e de até mesmo funcionários do banco, que se manifestaram na rede interna de comunicação da instituição.

O Ministério da Economia preferiu não fazer declarações diante de toda a repercussão negativa, porém, o vice-presidente Hamilton Mourão tomou as dores do filho e saiu em sua defesa, alegando que ele havia sido preterido nas gestões de Lula e Dilma por ser seu filho e que, só agora, estava sendo valorizado. “Em governos anteriores, honestidade e competência não eram valorizados”, publicou em seu Twitter.

O que Mourão não esperava é que sua justificativa logo seria desmontada. De acordo com a jornalista Madeleine Lacsko, do jornal Gazeta do Povo, Antônio foi promovido oito vezes durante a gestão do PT (2003-2016), sendo a primeira logo que Lula assumiu o governo, em 2003, em que o filho de Hamilton Mourão conseguiu ser transferido do Rio Grande do Sul para Brasília.

Lacsko também afirma que o novo assessor teve a oportunidade de se candidatar a uma promoção no governo de Michel Temer, o que não fez porque preferiu ficar no cargo de assessor empresarial na área de agronegócios do BB.

Veja as promoções de Antônio Hamilton Martins Mourão:

1 – 21 de janeiro de 2003: de Gerente de Expediente em Campo Novo, RS, para Gerente de Contas II na Asa Sul, DF;

2 – 5 de março de 2003: Operador Financeiro Jr., já fora de agência e na estrutura do banco;

3 – 9 de agosto de 2004: Analista Pleno na Diretoria de Agronegócio;

4 – 14 de maio de 2007: Gerente Negocial na Superintendência de Varejo do BB em MS;

5 – 18 de junho de 2007: Analista na mesma Superintendência no MS;

6 – 21 de julho de 2008: Analista Sênior, de volta ao DF;

7 – 10 de dezembro de 2012: Analista Sênior na Gerência de Negócios;

8 – 28 de maio de 2013: Analista Empresarial na Gerência de Negócios.

 

PROTEGIDO

Além do vice-presidente, o novo presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, também se manifestou a favor do seu novo assessor: “Mourão [o filho] é de minha absoluta confiança. Foi escolhido para minha assessoria e nela continuará, em função de sua competência. O que é de se estranhar é que não tenha, no passado, alcançado postos mais destacados no banco”.

Segundo Novaes, o filho do presidente possui “excelente formação e capacidade técnica” e será mantido no cargo. Em nota, o banco informou que o cargo é de “livre provimento da Presidência do BB e a nomeação atende aos critérios previstos em normas internas e no estatuto do Banco”.

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também