CONTAS DE 2016

Ajustes do Tesouro Nacional indicam <br>déficit primário de R$ 161,2 bilhões

Justificativa foi a forma de incluir no orçamento as despesas com Fies
19/07/2017 10:10 - G1


A Secretaria do Tesouro Nacional informou que revisou de R$ 154,2 bilhões para R$ 161,2 bilhões o déficit primário do governo em 2016.

O ajuste foi necessário, segundo o governo, porque o Tesouro mudou a forma de incluir no orçamento as despesas com o programa de Financiamento Estudantil (Fies). Com isso, o governo revisará todos os resultados desde 2010.

O déficit é registrado quando a despesa do governo é maior do que a receita com impostos. Quando se trata de um déficit primário, a conta não inclui os gastos com o pagamento de juros da dívida pública.

Como as despesas com o Fies passarão a integrar a categoria de gastos primários, haverá, assim, impacto direto no resultado das contas públicas.

Sobre o resultado de 2016, o governo incluiu R$ 7 bilhões em despesas com o Fies. Somente nos três primeiros meses deste ano, os gastos com o programa somaram R$ 1,4 bilhão.

Ao incluir os gastos com o Fies como despesa primária em 2016, o Tesouro Nacional elevará a previsão de despesas para 2017.

Teto de gastos

Também nesta terça, o Tesouro informou que o teto dos gastos públicos previsto para este ano passou de R$ 1,301 trilhão para R$ 1,309 trilhão.

Segundo o coordenador-geral de Estudos Econômico-Fiscais do Tesouro, Felipe Bardella, o ajuste ocorreu também por conta da mudança na forma de incluir as despesas com o Fies no Orçamento.

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".