Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

SÉRIE

Terceira temporada de “Stranger Things”

A produção acerta ao desenvolver seus personagens sem esquecer do suspense

12 JUL 19 - 10h:22GERALDO BESSA/TV Press

Crescer é inevitável. Que o diga o elenco de “Stranger Things”, uma das séries de maior sucesso da breve história da Netflix. Criada pelos irmãos Duffer, a produção chegou sorrateiramente ao serviço de “streaming” em julho de 2016 e foi a grande sensação da temporada, com direito a indicações e vitórias em premiações importantes como o Emmy e o Globo de Ouro. Durante as gravações dos primeiros episódios, a média de idade de seu elenco infantil era de nove anos. Agora, com todos já chegando aos 15, a série teve um grande dilema para resolver: realizar um “reboot” e ressurgir com novos atores ou seguir o fluxo do tempo e utilizar a maturidade de seu elenco para valorizar a história. Com uma segunda temporada utilizada como rito de passagem, é nos novos episódios que a trama se preocupa em discutir os encontros e desencontros da adolescência, com todas as modificações hormonais e comportamentais do período. Por sorte, “Stranger Things” se sai muito bem ao retratar a juventude dos anos 1980 com os olhos críticos de agora, o que deixa a série muito mais inteligente e instigante.

Na terceira temporada, a produção avança em plena “década perdida” para mostrar que alguns inimigos em comum ainda teimam em aterrorizar a pequena cidade americana de Hawkins, no estado de Indiana. Em 1983, até a cidade se desenvolveu e, nesse contexto, o surgimento de um shopping center em meio aos fenômenos sobrenaturais, faz com que a cultura do consumo seja um importante personagem da temporada. As aventuras dos amigos Mike, Dustin, Will, Lucas, Sadie e Eleven, personagens de Finn Wolfhard, Gaten Matarazzo, Noah Schnapp, Caleb McLaughlin, Sadie Sink e Millie Bobby Brown, respectivamente, saem da floresta e dos piqueniques e ganham a luminosidade dos letreiros de lojas e a companhia dos lanches em plena praça de alimentação. Recuando do contexto romântico que acabou por definir o final do segundo ano da série, “Stranger Things” reapresenta e desenvolve seus protagonistas sob o ponto de vista da individualidade. É sob essa perspectiva de descobertas e da necessidade de uma identidade que Millie Bobby e sua Eleven se destacam ao longo dos episódios. Com uma atuação precisa, mas que também se confunde com o próprio momento da atriz, os olhos e poderes da personagem funcionam como o guia principal dos mistérios da nova temporada.

O suspense, aliás, continua em alta. A trilha sonora recheada de sintetizadores e as inúmeras referências a obras de Steven Spielberg, John Carpenter e Stephen King continuam exercendo grande influência na estética e no enredo de “Stranger Things”, mas a série vai além das inspirações ao se aprofundar em seu próprio terror. Sem recorrer a sustos sem sentido, a história reforçar seu talento para a maratona ao envolver o público a partir de ganchos certeiros e que confundem e entregam o grande segredo da temporada de forma equilibrada. Por fim, a produção é mais uma oportunidade de conferir o talento de Winona Ryder, protagonista adulta da produção que faz uma bela parceria com David Harbour. Uma das atrizes mais promissoras de sua época, Winona foi a queridinha de diretores como Martin Scorcese, Francis Ford Coppola e Tim Burton, mas por questões pessoais, de planejamento de carreira e até policiais, chegou ao final dos anos 1990 esquecida e irrelevante. Sem desperdiçar cenas, a presença de Winona reforça o tom oitentista que a série tanto busca e ao mesmo tempo vai além do puro saudosismo. No fim, todo mundo ganha.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Dica da semana: "Elis"
VIA STREAMING

Dica da semana: "Elis"

Com papel de destaque em “Bom Sucesso”, David Júnior fala sobre familiaridade com personagem
NOVELA

Com papel de destaque em “Bom Sucesso”, David Júnior fala sobre familiaridade com personagem

Globo grava em SP nova série sobre ensino noturno para jovens e adultos
CANAL 1 - FLÁVIO RICCO

Globo grava em SP nova série sobre ensino noturno para jovens e adultos

Peça utiliza o metateatro como linguagem e evita o uso de energia elétrica
ENSAIO SOBRE A LUA

Peça utiliza o metateatro como linguagem e evita o uso de energia elétrica

Mais Lidas