Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 13 de novembro de 2018

CRÔNICA

Raquel Naveira: "Pérolas"

13 JUN 2017Por DA REDAÇÃO08h:16

Guardo num estojo de veludo azul-marinho o colar e os brincos de pérola que usei no meu casamento. Uma noite me vesti de noiva, com rendas e pérolas. Havia lua e me afoguei num mar de espumas e pontas de estrelas.

Coloco os brincos. Lembrei-me daquele quadro do pintor holandês Vermeer, o “Moça com Brinco de Pérola”. Uma cabeça de mulher, o turbante em tons de ouro, a boca carnuda. O brinco de pérola brilhando como um ponto focal. E os olhos que nos observam. Misto de mulher e anjo. Esfinge leitosa. Musa perdida no tempo. Ninguém sabe quem foi a modelo do quadro. Num filme de Hollywood apresentando Colin Firth como Vermeer e Scarlet Johanson como a jovem, o diretor imaginou que ela seria uma camponesa que trabalhava na casa do renomado pintor. O filme é todo uma pintura, cheio de silêncios expressivos, desejos contidos e transmutados em arte.

Agora ponho o colar e me fito no espelho. Passo os dedos de conta em conta: cadeia de mundos, gotas de chuva, lágrimas de rosa. Aperto as pérolas contra meu colo. Está seguro, bem fechado. Se quebrasse, eu poderia  me desequilibrar, como oleiro que quebra o vaso de argila e chora sobre os cacos.
Tão preciosas as pérolas. Por isso o Reino dos Céus é comparado a uma pérola de grande valor. Aquele que a encontra, vende tudo o que tem para comprá-la. Quem descobre a importância da vida espiritual, sacrifica tudo por ela.

Sei enfiar pérolas num cordão de versos, pensamentos refinados, palavras escolhidas. Meu trabalho de ourives, de esmero com a linguagem é semelhante ao dos pescadores que colhem ostras no fundo do mar. Arrancam as pérolas como se fossem fetos, até ficarem com os olhos cegos de sal.

A deusa Vênus, de Boticelli, nasceu de dentro de uma concha. Nua, esguia, empurrada para a praia pelos ventos das paixões, adornada pelo manto bordado de flores da primavera.

Um aviso: pérolas, poesia, fé, sabedoria, ciência não devem ser lançadas aos cães, nem deitadas aos porcos para não serem pisadas, enlameadas. Podemos ser mal compreendidos, despedaçados na pureza de nossas intenções. O conhecimento não deve ser entregue aos que não são dignos dele. 

Tantos anos se passaram, tantas fases da lua, num ritmo cósmico e cíclico, que sublimou meus instintos e amadureceu minha feminilidade criativa. Retiro os brincos e o colar, guardo-os novamente no estojo. Emblemas do meu amor, essas pérolas estiveram em conchas, as conchas no oceano profundo. As ondas cobriram tudo de azul-marinho.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também