TELEVISÃO

Papo futurista

Tecnológica e nada popular, “Tempos Modernos” completa uma década de exibição
25/01/2020 05:30 - GERALDO BESSA/TV Press


 

As novelas bem que tentam sair da mesmice ao se inspirar em obras de ficção científica ou abordar temas mais tecnológicos. Porém, é grande a lista de produções que se tornaram um fiasco por conta dessa abordagem. Mesmo ciente da falta de apelo deste tipo de trama com o público dos folhetins, comprovada a partir da audiência de folhetins como “Transas e Caretas” e “O Amor Está no Ar”, a Globo resolveu seguir novamente pelo caminho da experimentação a partir de uma sinopse apresentada por Bosco Brasil. Ambientada no Centro de São Paulo, a trama retratava o contraste entre o “velho”, representado pelo ar decadente e antigo da região, e o “novo”, com a experiência de um prédio todo controlado por inteligência artificial. Inicialmente, a obra teria o estranho nome de “Bom Dia, Frankestein”, vetado pela cúpula da emissora. No fim, ficou o genérico título “Tempos Modernos”, produção que completa dez anos de exibição neste mês e representa um dos maiores fracassos da faixa das sete. “O Centro de São Paulo sempre foi um dos meus lugares preferidos da cidade. Embora abandonado, ele resiste e é cenário de grandes histórias. Concebi a novela como uma carta de amor à região. Isso não foi o bastante para fisgar o telespectador. Meu erro foi não entender o quão careta o público pode ser. Quando as coisas mudam muito, ele tende a se afastar”, analisa Bosco.

Malu Galli, Otávio Muller e Regiane Alves

Inspirada no clássico shakespeariano “Rei Lear”, a trama é centrada na figura de Leal, de Antonio Fagundes. De origem humilde e agora milionário, ele administra há muitos anos o Titã, o maior edifício do Brasil, que possui 36 andares, 1.550 apartamentos em diferentes dimensões, 95 lojas e mais de 7 mil residentes. Com moradores de diversas classes sociais, o prédio conta com avançados recursos tecnológicos, que controlam desde a temperatura interna até a vigilância de tudo o que acontece dentro de suas paredes, onde tudo é monitorado pelo computador Frank, uma máquina irônica, temperamental e não muito avançada, livremente inspirada no computador HAL 9000, do filme “2001 - Uma Odisseia do Espaço”, dirigido por Stanley Kubrick, de 1968. Como um síndico onipresente, Frank questiona, consola e debocha das pessoas que vivem ou circulam pelo prédio. Tem sempre uma resposta pronta, e teme ser trocado por uma versão mais atualizada. Ninguém tem acesso à sua sala de controle, com exceção de Leal. “Me apaixonei pelo texto de cara. Era, sem dúvida, muito diferente e inspirado. Adorei o ar de fantasia e humor e a história ainda explorava muito bem o homem e as máquinas”, conta Fagundes.

Felipe Camargo e Vivianne Pasmanter

Prestes a dar um novo passo empresarial, Leal decide investir no Titã II, empreendimento projetado para ser o maior prédio da América Latina, igualmente erguido no Centro e aperfeiçoando todas as tecnologias já utilizadas no condomínio mais antigo. O grande problema do empresário, entretanto, são suas filhas e herdeiras, Regiane, Goretti e Nelinha, personagens de Vivianne Pasmanter, Regiane Alves e Fernanda Vasconcellos. O trio não se entende e nem leva o menor jeito para cuidar de um edifício com proporções e complicações tão gigantescas. Nelinha é a predileta de Leal e a única que é totalmente contra a construção do novo prédio, que resultará na destruição de parte da história da área central da cidade, além de causar transtornos urbanísticos e ecológicos à região. “A novela tratava de coisas realmente sérias, como a especulação imobiliária e os impactos ecológicos, que precisam ser amplamente debatidas hoje e nos próximos anos. Nelinha foi minha primeira protagonista em novelas e um grande aprendizado. Afinal, a trama passou por tantas modificações que a gente tinha de estar pronta para tudo”, conta Fernanda, que acabou ficando com o posto de mocinha depois da recusa de Priscila Fantin em viver o papel. Com medo de se repetir, Fantin acabou escolhendo viver a antagonista Nara e foi atendida pelo autor da trama.

Grazi Massafera e Guilherme Weber

As primeiras gravações de “Tempos Modernos” fizeram um verdadeiro passeio pela história de São Paulo. Durante 40 dias, a equipe comandada pelo diretor José Luiz Villamarim captou sequências em pontos turísticos como o Vale do Anhangabaú, Viaduto do Chá, Viaduto Santa Ifigênia, Praça Ramos de Azevedo, Avenida São João, Rua Líbero Badaró e Largo de São Francisco. Nos Estúdios Globo, a equipe de cenografia capitaneada por Fabio Rangel, Fabbio Gomes, João Irênio recriou uma parte do Centro de São Paulo em um espaço de 7 mil m². Entre as principais construções estão o Edifício Copan e a Galeria do Rock. “A cidade era um personagem importante dentro da trama. Então, o esforço de fazer tudo de forma muito real foi imenso”, valoriza Villamarim, que estreava no posto de Diretor Artístico. Com elenco formado por nomes como Felipe Camargo, Grazi Massafera, Guilherme Weber, Ângela Vieira, Otávio Muller e Marcos Caruso, entre outros, a novela não engrenou nem com as diversas adaptações realizadas ao longo de seus 166 capítulos e terminou com audiência média de 24 pontos no Ibope. “Tudo o que era tecnológico ficou em segundo plano e a trama ficou o mais comum e popular possível. Mas aí o público não estava mais interessado na história”, lamenta o autor.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".