Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TEATRO NA RUA

“Oitava Temporada do Chapéu” começa na próxima semana em Campo Grande

Teatro Imaginário Maracangalha, abre a programação que é gratuita
15/05/2019 07:00 - NAIANE MESQUITA


 

A “8ª Temporada do Chapéu” começa no dia 20 de maio, em Campo Grande, ancorada em uma das mais antigas formas de resistência cultural do mundo: o teatro de rua. Com uma programação extensa que inclui apresentações culturais, workshops, oficinas e seminários, o encontro tem a participação de grupos de Mato Grosso do Sul e de outros estados brasileiros.

Idealizada pela companhia Teatro Imaginário Maracangalha, a “8ª Temporada do Chapéu” é divulgada com um ano de atraso. “Nós recebemos investimentos do Programa Municipal de Fomento ao Teatro (Fomteatro) que atrasou o repasse de verbas. Era para essa temporada ser realizada no ano passado”, afirma o diretor do grupo, Fernando Cruz.

Apesar das dificuldades relacionadas ao atraso e ao número de investimentos reduzidos na área, Cruz ressalta que o grupo não desistiu da promoção do evento. “Com os cortes na cultura fica cada vez mais difícil sobreviver, viver de teatro. A ideia é debater também essa questão durante a Temporada do Chapéu. Todos os grupos que estão na programação vivem de arte”, esclarece.

Um dos pontos altos da programação é o Cortejo de Abertura, que será realizado no dia 23 de maio, às 11 horas, na Praça Ary Coelho, no Centro. “É o teatro de rua na sua essência, a cultura popular desempenhando o seu papel de unir a cidade, de integrar os artistas com o público”, acredita Cruz.

FIQUE ATENTO

Toda a programação da “8 Temporada do Chapéu” é gratuita. Mais informações pelo e-mail 8temporadadochapéu
@gmail.com .

Felpuda


As conversas vêm acontecendo muito, mas muito reservadamente mesmo, e dão conta de que suplente poderá receber convocação, assumir a titularidade do cargo e por lá ficar por tempo indeterminado. Como é óbvio, tem gente jurando que nunca ouviu nem sequer falar sobre o assunto. O motivo não seria nada ligado a possíveis atos de irregularidades, mas sim por problemas de ordem pessoal.