REALIZAÇÃO

Há dois anos, bolo era sonho <br>de aniversário para Ryan

No aniversário de 15 anos, adolescente fez um pedido simples à mãe, que fez de tudo para conseguir o presente
20/06/2019 07:30 - NAIANE MESQUITA


 

Tudo que Ryan Gabriel desejou desde os 14 anos foi ganhar um bolo para comemorar o aniversário. Não precisava ser grande ou temático, mas que servisse para assoprar as velas e celebrar mais um ano de vida. Infelizmente, um desejo tão simples precisou ser subtituído por alguma necessidade urgente da família na época, como também seria em 2019, se não fosse pelo amor da mãe, Denise. 

No dia 10 de junho, Denise do Carmo da Silva, 41 anos, desejou feliz aniversário ao filho como todos os outros anos. “Dei parabéns e perguntei se ele tinha fé. Ele respondeu que sim”, relembra. Sem que o filho desconfiasse, ela decidiu enviar uma mensagem a um grupo de voluntários de Campo Grande, que ajudam com doações de roupas, alimentos e outras necessidades básicas de famílias da cidade. “Eu pedi os ingredientes para fazer o bolo. Eu nem achei que fosse conseguir, mas tentei”, explica.

O desejo de realizar o sonho de Ryan surgiu na mãe após ver o esforço do menino. Com mais de um ano de espera, ele estava decidido a conseguir não só o bolo, mas também um chinelo novo, já que o antigo tinha arrebentado. “Eu juntei dinheiro vendendo jujuba, mas não deu para comprar o bolo porque minha mãe precisou usar o valor para pagar conta”, conta Ryan Gabriel da Silva Santana, 15 anos.

Bolo foi em homenagem ao São Paulo - Foto: Doa CG

Torcedo assíduo do São Paulo, Ryan adorou a surpresa que recebeu: um bolo temático, com as cores do time do coração e uma palavra que resume tudo nos últimos dias: amor. “Fiquei muito feliz, o São Paulo é meu time do coração e faz tempo que eu queria um bolo deles e minha mãe conseguiu”, diz o jovem.

SONHOS

Menino de poucas palavras, Ryan afirma que gosta de estudar ciências e geografia, mas que já pensou em ser pedreiro. “Ou algo mais na vida”, afirma. 

O bolo vermelho e preto só pode ser entregue no dia 16, mas para o aniversariante não teve problema. Não só ele, como toda a família se emocionou. Mãe de quatro filhos, Denise viu os dois mais novos sorrirem animados. “Nós viemos de Ribeirão Preto, uma das minhas filhas ficou lá e os outros três vieram comigo, uma menina de 19 anos, que está procurando emprego, mas está difícil, o Ryan de 15 e o mais novo de 10”, conta. 

Moradores do bairro Aero Rancho, a família não se arrepende de ter trocado São Paulo por Campo Grande. “Lá era difícil de viver. Eu trabalho como diarista, saio de casa de manhã e volto à noite. Como é meio período, eu vou de um lugar para o outro”, conta. 
Para o ano que vem, a mãe já sabe qual é o próximo desejo de Ryan: “Uma chuteira para jogar futebol”. 

DOAÇÕES

Em um tempo de tantos excessos, onde festas priorizam o luxo, o pedido de Ryan emocionou os integrantes do Doa Cg, um grupo de voluntários de Campo Grande, que atua desde 2018 na arrecadação de itens para famílias da cidade. “O Doa CG foi idealizado por mim e por familiares em agosto de 2018, de lá para cá temos ajudado muitas famílias e crianças e é tudo por amor mesmo, voluntariado, sem pensar em recompensas”, afirma Guilherme Goularte.

Atualmete, o grupo tem 50 voluntários ativos. “Começou com um grupo fechado e foram entrando mais amigos de amigos, pessoas que conheceram o trabalho e queriam ajudar”, ressalta.

Segundo Guilherme, o grupo não tem vínculos políticos e atua principalmente pela internet para captar as doações, por meio do perfil no Instagram @doa_cg. 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".