ATRIZ

Fazer uma série na Globo é o que todo mundo deseja', diz Regiane Alves

Fazer uma série na Globo é o que todo mundo deseja', diz Regiane Alves
17/09/2017 00:00 - FolhaPress


 

Engana-se quem pensa que conquistar um papel numa novela da Globo é o sonho de todos os atores. Agora, a moda na emissora carioca é... fazer séries.

Pelo menos é esse o caminho trilhado pela atriz Regiane Alves, 39, que volta à telinha como a prostituta Marli, de "Cidade Proibida", novo seriado da Globo que estreia dia 26 de setembro.

"Fazer uma série hoje em dia na Globo é o que todo mundo deseja. Venho fazendo tantas novelas -e minha primeira série foi lá atrás, em 'A Muralha'-, então acho que é uma oportunidade muito especial", disse a atriz durante apresentação da trama e do elenco para jornalistas no Rio.

"Eu queria muito poder fazer uma série agora que a Globo está investindo nisso. É um formato que estamos consumindo, somos fãs de Netflix", completa a artista.

Escrita por auro Wilson e dirigida por Maurício Farias, "Cidade Proibida" é inspirada nos personagens do quadrinho "O Corno que Sabia Demais", de Wander Antunes. O elenco também conta com Vladimir Brichta, que vive Zózimo, o protagonista; Ailton Graça, que interpreta Paranhos, um delegado corrupto; e José Loreto, que dá vida a Bonitão, um malandro e sedutor profissional.

"[Série] tem o ritmo de cinema, mas são cenas menores. Eu acho que a gente passar a ter mais cuidado nas cenas. E, por ser uma obra fechada, você trabalha mais e pensa mais para onde vai. Na novela, por ser obra aberta, você nunca sabe para que lado o personagem vai", diz Regiane.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".