Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

MEMÓRIA

Exposição na UFMS exalta a cultura de paz

Espaço Prof. José Barbosa Rodrigues terá nova placa
22/07/2019 07:00 - NAIANE MESQUITA


 

Autor de livros importantes sobre a trajetória do Estado, José Barbosa Rodrigues não poderia receber uma homenagem mais simbólica do que ter o seu nome repousado permanentemente nas portas do curso de História da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). A mudança foi instituída em 2010, mas, em decorrência de reformas no prédio, uma nova placa comemorativa foi instalada com o nome do escritor e haverá ainda uma exposição especial, intitulada “Da Cultura de Violência para a Cultura de Paz – Transformando o Espírito Humano”. O descerramento da placa “Espaço Prof. José Barbosa Rodrigues” acontecerá hoje, a partir das 9h50min, no setor 1, bloco 3, da Cidade Universitária, com a abertura da mostra logo em seguida. 

Escritor, historiador e empresário, José Barbosa Rodrigues foi autor de 10 obras,  entre elas, “Isto é Mato Grosso do Sul (Estudo Histórico e Geográfico)” e “História de Campo Grande”. O currículo extenso mostra as qualidades do homem visionário, as quais, nas palavras de um dos fundadores do curso de História da UFMS, o professor aposentado Cezar Augusto Benevides, não se sobrepõem à principal: de mestre. “Foi um verdadeiro professor, no sentido mais profundo da palavra”, afirma. 

Segundo Benevides, José Barbosa Rodrigues iniciou a carreira como professor na base, ensinando crianças na Escola Boa Vista, em uma colônia japonesa na Mata do Ceroula, junto de sua esposa, dona Henedina Hugo Rodrigues.
“Ele era professor no sentido oriental da palavra, com uma grande sabedoria. O curso tem sorte de ter um patrono de sua estirpe. Quando decidimos homenageá-lo com seu nome em nossa sede, foi aprovado por unanimidade pelo Conselho Universitário e também nos outros conselhos”, explica. 

Depois do primeiro emprego em Campo Grande, José Barbosa Rodrigues lecionou em colégios tradicionais da cidade, como a E. E. Joaquim Murtinho e a Escola Nossa Senhora Auxiliadora. Como jornalista, Rodrigues trabalhou no Jornal do Comércio e no Correio do Estado,  tornando-se posteriormente proprietário do veículo. 

Exposição

O corredor em frente à antiga reitoria, agora sede do curso de História e Espaço José Barbosa Rodrigues, será palco da exposição “Da Cultura de Violência para a Cultura de Paz – Transformando o Espírito Humano”, entre os dias 22 e 26 de julho.

Composta por quatro alas temáticas e 38 painéis, que refletem os esforços, o significado da cultura de paz e buscam ampliar a compreensão dos visitantes sobre a problemática, a exposição integra a programação da 71ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para oProgresso da Ciência (SBPC), maior evento científico da América Latina e que ocorre de 21 a 27 de julho na UFMS. 

“Fui assistir à exposição em São Paulo e pedi para ser exposta durante a SBPC. O convite oficial para a vinda da exposição foi feito pela professora Vivina Queiroz, diretora da Faculdade de Ciências Humanas da UFMS, ao presidente da BSGI [Associação Brasil Soka Gakkai Internacional], em São Paulo, dr. Miguel Shiratori”, explica Benevides. 

FILME

A exposição também inclui a exibição do documentário “Um Outro Modo de Ver as Coisas”, escrito por Daisaku Ikeda e dirigido por Cory Taylor, com o apoio da Soka Gakkai Internacional. 

O filme trata de uma viagem do jovem historiador britânico Arnold Toynbee aos campos de batalha entre a Grécia e a Turquia, nos idos de 1920. 

A postura de Toynbee em “ouvir o outro lado”, mostrando as crueldades cometidas pelos gregos contra civis turcos, não agradou à sociedade europeia da época, cúmplice das atrocidades da Guerra Greco-Turca. Os visitantes poderão assistir ao filme em duas sessões diárias, às 15h e às 15h30min. 

Desde sua primeira exibição, em setembro de 2007, em Nova York, a mostra passou por 230 cidades de 31 países, em locais como Escritório das Nações Unidas, em Genebra, na Suíça; Casa do Parlamento, em Wellington, Nova Zelândia; e em países como Canadá e Malásia. 

Felpuda


Em uma das eleições em MS, candidato já oficializado na convenção corria o trecho para conquistar os eleitores. Mal sabia, porém, que time do seu partido e de aliados estava tramando sua derrubada para emplacar substituto que teria mais votos. Por muito pouco, o dito-cujo não foi guilhotinado, conseguindo salvar o pescoço. Agora tudo indica que o mesmo processo estaria em andamento e seria mais fácil, pois a “vítima” desta vez ainda é só pré-candidato. Dizem que a “turma da trairagem” tem know-now no assunto.