Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TELEVISÃO

Em “Bom Sucesso”, Mariana Molina estreia em papel cômico na televisão

Em “Bom Sucesso”, Mariana Molina estreia em papel cômico na televisão
25/07/2019 19:00 - CAROLINE BORGES/TV Press


Cada dia no estúdio é uma surpresa para Mariana Molina. No elenco de “Bom Sucesso”, nova novela das sete da Globo, a atriz de 28 anos tem a chance de trabalhar com comédia pela primeira vez. Sem experiências com o gênero, Mariana está se descobrindo a cada nova cena. A ideia de encarar uma personagem cômica era um desejo antigo da atriz. “Sempre gostei de comédia e várias pessoas falavam para eu investir nessa área. Porém, nunca tinha tido a oportunidade. Primeiramente, fiquei muito nervosa. Não sabia se conseguiria. É bem difícil, pois há uma entrega e um desapego de rir de si mesmo. Decidi que vou rir de mim e assumir essa postura do ridículo”, explica.

Na história escrita por Rosane Svartman e Paulo Halm, Mariana interpreta Evelyn, uma moça tímida e introvertida, que trabalha na Editora Prado Monteiro. Assistente de William, papel de Diego Montez, a jovem é apaixonada por Felipe, de Arthur Sales. A proximidade do rapaz desperta seu lado estabanado. Só de chegar perto dele, começa a gaguejar e derrubar as coisas. Para conquistar Felipe, ela contará com a ajuda de Thaíssa e Jefferson, interpretados por Yasmin Gomlevsky e Felipe Haiut. Os dois convencem Evelyn de que ela deve se comportar como Irene Adler, personagem feminina das obras de “Sherlock Holmes”, criadas pelo escocês Arthur Conan Doyle. “A Evelyn é uma mulher muito tímida e que ninguém nota a presença dela. Mas, como ela sabe que o Felipe tem esse fetiche pela Irene Adler, ela decide se tornar uma mulher mais fatal. Ela vai se transformando. No começo, só usa roupas engraçadas ou que não combinam com nada”, adianta.

As obras de “Sherlock Holmes” foram uma importante fonte de pesquisa para Mariana. No entanto, a atriz focou seu processo de composição em outros personagens conhecidos do entretenimento. Ela pegou referências na clássica novela colombiana “Betty, A Feia” e no filme “O Diabo Veste Prada”, protagonizado por Anne Hathaway. “Tenho a referência da Irene dos livros e da série também. Mas senti que a inspiração da personagem vinha muito dessas duas produções. Quando fiz a prova de figurino, entendi finalmente o que era a personagem. Ela ia além de uma mulher estabanada”, defende a atriz, que ficou pensativa sobre o papel quando conheceu a trama profundamente. “Sou muito feminista. Será que é necessário se transformar no que a outra pessoa quer? Acho que não. Durante esse caminho, a Evelyn também se descobre muito. É um autoconhecimento. Ela deixa a timidez de lado e passa a se posicionar mais”, completa.

Natural de São Bernardo do Campo, na região metropolitana de São Paulo, Mariana está de folga da tevê desde o fim de “Onde Nascem os Fortes”, macrossérie da Globo, exibida no ano passado. Na trama de “Bom Sucesso”, a atriz encarará uma história sobre a valorização da vida. Desde a preparação de elenco, ela tem pensado bastante na temática central. “Parece clichê, mas, realmente, a gente não sabe se vai existir amanhã. A gente mergulha em uma rotina e as coisas vão passando. Adoro redes sociais, por exemplo, mas tenho feito um trabalho de distanciamento. Aquilo não pode me definir. A gente mostra só o que quer. Ninguém posta que está com dor de barriga ou que está mal. Vale a pena pensar sobre isso nesse momento”, aponta.

Felpuda


Mensagens trocadas por aí mostram que deverá “virar moda” políticos anunciarem que testaram positivo para a Covid-19. E sem medo de dizer que isso é porque o presidente Jair Bolsonaro anunciou ter sido infectado, e aí essa tchurminha estaria interessada também em ganhar holofotes. Porém, ressaltam que, como não se pode duvidar de coisa séria, o jeito é desejar “restabelecimento”. E não deixam de lembrar que o risco é a população descobrir que não fazem a menor falta. Essa gente...