Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

VIA STREAMING

Dica da semana: "A Teoria de Tudo"

Mais do que um retrato da vida profissional de Stephen Hawking, o filme conta a bela história de amor do cientista
22/10/2019 14:11 - KREITLON PEREIRA, VIA STREAMING


 

Em 2015, estreou nos cinemas o filme “A Teoria de Tudo”, que contava a história de Stephen Hawking e Jane, casados de 1965 a 1985. O longa foi baseado no livro homônimo escrito pela primeira esposa do cientista, sendo mais focado na vida pessoal dos dois do que nas descobertas profissionais de Hawking. Mesmo assim, “A Teoria de Tudo” é um filme imperdível, acertando ao retratar a realidade de maneira sensível e emocionante. Também muito bem aceito pela crítica, a produção foi indicada a diversos prêmios, ganhando, inclusive, o Oscar de Melhor Ator pelo trabalho de Eddie Redmayne, como Stephen Hawking.

Físico britânico, Hawking foi um dos cientistas mais famosos de sua era, tendo abordado temas como a natureza da gravidade e a origem do universo. Um de seus trabalhos mais relevantes é a teoria da singularidade do espaço, que aplica a todo o universo a lógica dos buracos negros. Aos 21 anos, no início de suas descobertas acadêmicas, foi diagnosticado com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), uma doença degenerativa que afeta o sistema nervoso e causa problemas de movimentação. Apesar dos médicos terem estimado que ele viveria por pouco tempo, Stephan sobreviveu com a doença até seus 76 anos, sem parar de trabalhar e desenvolver novas teorias.

“A Teoria de Tudo”, disponível na Netflix, no YouTube e no Looke, é um retrato da vida do jovem casal, desde o momento em que se apaixonam. O filme vai retratar os impactos da doença não só no cientista, mas também em Jane, uma mulher forte e dedicada, e na sua família. O longa é um belo retrato de amizade, superação e amor que promete emocionar quem assiste.

Curta a página da coluna “Via Streaming” no Facebook em www.facebook.com/colunaviastreaming.

Felpuda


Considerados “traíras” por terem abandonado o barco diante dos indícios da chegada da borrasca à antiga liderança, alguns pré-candidatos terão de se esforçar para escapar da, digamos assim, vingança, velha conhecida da dita figurinha. Dizem por aí que há promessas nesse sentido, para que os resultados dos “vira-casacas” nas urnas sejam pífios. Sabe aquela velha máxima: “Pisa. Mas, quando eu levantar, corre!” Pois é...