AQUIDAUANA

Assembleia Indígena reunirá cantores e lideranças nacionais

Cantora Maria Gadú é presença confirmada
08/05/2019 07:00 - PAULA MACIULEVICIUS BRASIL


 

A grande reunião de caciques e lideranças indígenas do povo terena de Mato Grosso do Sul vai movimentar o Estado de hoje até sábado, tanto em Aquidauana como em Campo Grande. Organizada pelo Conselho Terena e Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), esta será a 13ª Grande Assembleia Terena, que nesta edição tem como palco a aldeia Ipegue, em Aquidauana. A cantora Maria Gadú e a líder Sônia Guajajara estão entre as presenças confirmadas. 

Fruto do movimento indígena, a assembleia surgiu a partir da demora na demarcação de terras prevista na Constituição Federal. A reunião coloca no mesmo local lideranças terenas, apoiadores, simpatizantes da causa indígena e representantes de políticas públicas.

A programação conta com gente de peso para discutir educação, saúde e território, como a primeira deputada federal indígena do País e coordenadora da Frente Parlamentar Mista em Defesa dos Direitos dos Povos Indígenas, Joênia Wapichana (REDE-RR), a deputada federal e membro da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, Talíria Petrone (PSOL-RJ), a cantora Maria Gadú, a liderança indígena Célia Xakriabá, o representante da Mídia Índia Erisvan Guajajara e a coordenadora executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, Sônia Guajajara.

Um dos coordenadores da assembleia, Lindomar Terena enfatiza que o carro-chefe da reunião continua sendo a questão territorial fundiária. “A conjuntura hoje é totalmente desfavorável aos povos indígenas e também entram outros temas que já são nossa pauta: saúde e educação”, frisa. 

Serão três dias de assembleia do povo terena, que, com o passar dos anos, tem se tornado também dos povos indígenas do Estado como um todo. “Fazemos questão de convidar kadiwéu, guarani-kaiowá e vêm muitos aliados também que acabam querendo conhecer a realidade vivida pelos povos indígenas”, exemplifica. 

Simpatizante, Maria Gadú é uma das presenças nesta edição, o que pegou os terenas de surpresa. “Por se tratar de uma dessas pessoas famosas, contar com a presença dela é uma coisa que a gente não consegue nem somar”, diz Lindomar. 

RESISTIR SEM MEDO

A causa também chega a Campo Grande com o Sar(Ato) Resistir sem Medo, que será realizado na sexta-feira (10), na Praça dos Imigrantes. A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), o Movimento Negro Unificado (MNU) e o Partido Socialismo e Liberdade de Campo Grande estão na organização. 

Com uma pegada cultural, a proposta é trocar ideias políticas com artistas e ativistas que estão na luta e na resistência. 
“Como já sabíamos que ia acontecer a assembleia, fomos até a organização e conversamos de fazer um espaço em Campo Grande para reunir juventude, mulheres, LGBTs, negros e indígenas”, explica o organizador do sarau, Henrique Nascimento. 

O objetivo é trazer parte dos integrantes que terão fala na assembleia, como Sônia Guajajara, Célia Xakriabá e o advogado Eloy Terena. 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".