Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

HOMENAGEM

Artistas recebem pela primeira vez
o título de doutor honoris causa

UFMS concedeu a honraria a Humberto Espíndola, Almir Sater e Isaac de Oliveira

23 JUL 19 - 07h:00NAIANE MESQUITA

“Esse reconhecimento é uma atitude política de apoio à cultura e à própria universidade”, acredita o artista plástico, Humberto Espíndola. Com mais de 50 anos de carreira, de uma obra expressiva e que explora um dos temas mais emblemáticos do Estado, a bovinocultura, Espíndola recebeu na noite de ontem (22), o título de doutor honoris causa, uma honraria concedida a poucos, pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Ao lado de Espíndola, o também artista plástico, Isaac de Oliveira e o músico Almir Sater receberam o título, inédito entre profissionais da área. A homenagem aconteceu como parte da programação da 71ª reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

Cofundador e diretor do Museu de Arte e de Cultura Popular de Mato Grosso e ex-gestor do Museu de Arte Contemporânea de Mato Grosso do Sul, Humberto Espíndola tem uma carreira longa na criação e gestão das artes plásticas. Bacharel em Jornalismo pela Universidade Católica do Paraná, começou a pintar motivado pelas aulas de História da Arte e participou da I Exposição de Pinturas dos Artistas Mato-grossenses. Fundou, junto a amigos, a Associação Mato-grossense de Artes, da qual foi diretor técnico. Entre diversas participações em exposições e mostras estão o XVII Salão Nacional de Arte Moderna e o convite para o VII Salão Nacional de Artes Plásticas. Entre as premiações está a indicação à VI Bienal de Paris. Espíndola já levou a arte de Mato Grosso do Sul para a Itália, Colômbia, Havana, Venezuela, Chile, Equador, Bolívia e Nova Iorque. 

Sobre o título da UFMS, confessa que foi surpreendido. “É uma ação interessante da universidade e eu fiquei muito honrado com esse reconhecimento, que chegou em vida e a três artistas. Acredito que nós estamos vivendo em uma época de crise para a cultura e essa atitude é muito interessante porque mostra um apoio e uma união entre a universidade e a arte de Mato Grosso do Sul”, afirma Espíndola. 

O título de doutor honoris causa foi concedido a 27 personalidades, principalmente pesquisadores, desde a fundação da universidade, há 40 anos. 

Segundo a assessoria de imprensa da UFMS, essa é a primeira vez que artistas são contemplados com a homenagem. 
Para o artista plástico Isaac de Oliveira, a valorização da classe artística é fundamental para a construção do conhecimento. “Eu gostei justamente porque a homenagem é voltada para a arte. Na realidade, eu estou encantado, enaltecido, porque não é uma coisa que eles fazem sempre”, esclarece. O artista plástico é natural de Itajuípe, na Bahia, mas passou a infância, adolescência e juventude em Campinas, interior de São Paulo. Isaac atuou como publicitário e veio para Campo Grande em 1978, justamente para fundar uma agência de publicidade. 

Porém, quando começou a conviver de perto com os ipês, tudo mudou. Na Cidade Morena, começou a se dedicar à pintura e a comercializar quadros profissionalmente. A influência regional se torna evidente a partir da década de 1980, quando o artista se volta a uma série de pinturas de índios e animais da região e, posteriormente, indígenas do Brasil. Por gostar muito de pescar no Pantanal, passa a pintar também peixes; em seguida, fauna e flora e, posteriormente, frutas e verduras, tudo a partir da observação direta. O artista conta que este foi um período de intensas buscas por técnicas, formas e materiais de qualidade que dessem conta de expressar as cores e estilo próprio que procurava. Entre outras homenagens, teve um quadro premiado como aquisição no III Salão de Artes Plásticas MS. Em 2013, abriu uma galeria e escritório de Arte – uma tendência dos artistas contemporâneos –, advinda da necessidade de espaço para expor e vender suas obras.

Almir Sater

O músico Almir Sater talvez dispense apresentações. Campo-grandense, Almir começou a se dedicar à música quando cursava o antigo terceiro científico, no Rio de Janeiro (RJ).

Na cidade, pediu aulas para Paulo Simões que, após três encontros, encerrou o curso e convidou Almir para tocar com ele. Cursou Direito, conheceu a viola de perto, formou a dupla Lupe e Lampião, participou do Festival da Record e deixou a faculdade para se dedicar à música. Sater retornou a Campo Grande em 1976. Foi aprovado e cursou pouco mais de um ano de Educação Física na UFMS, até mudar-se novamente, agora para São Paulo, em 1978. Acompanhou o grupo Tetê e O Lírio Selvagem e integrou o show “Vozes e Violas”, onde foi convidado a gravar o primeiro disco de sua carreira, “Almir Sater”, em 1981. 

Na discografia, traz também os álbuns “Doma”; “Prata da Casa”, primeiro disco coletivo gravado em MS produzido pela UFMS; “Almir Sater instrumental”; “Cria”; “Rasta Bonito”; “Instrumental II”; “Almir Sater Ao Vivo”; “Terra de Sonhos”; “Caminhos Me Levem”; “7 Sinais”; e “AR”, com Renato Teixeira.

Com este último álbum, recebeu em 2016 os prêmios de melhor dupla regional na 27ª edição do Prêmio da Música Brasileira e de Melhor Álbum de Raízes em Língua Portuguesa no 17º Grammy Latino. Em 2018, os dois se reuniram novamente para lançar o disco “+AR” e ganharam de novo o Grammy Latino na mesma categoria.

Além do Festival MPB Shell, teve canções na trilha da novela “Pantanal” e como tema do Globo Rural. Integrou o projeto “Comitiva Esperança”, com Paulo Simões e Zé Gomes. Participou também dos curtas-metragens “As Bellas de Billings” e “Caramujo Flor”, sobre o universo poético de Manoel de Barros; atuou nas novelas “Pantanal”, “Rei do Gado”, “Bicho do Mato” e protagonizou “A História de Ana Raio e Zé Trovão”. 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Autores sul-mato-grossenses são premiados em concurso literário
CULTURA

Autores sul-mato-grossenses são premiados em concurso literário

Personagem de Renata Sorrah busca recomeço em nova série da Globo
CANAL 1 - FLÁVIO RICCO

Personagem de Renata Sorrah busca recomeço em nova série da Globo

Bandas animam 14 de Julho neste domingo
CENTRO

Bandas animam 14 de Julho neste domingo

Praça em homenagem a construtor cego terá feira cultural hoje
HISTÓRIA

Praça em homenagem a construtor cego terá feira cultural hoje

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião