Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

MEMÓRIA

Após duas décadas de seu falecimento, Poeta Lino Vilachá será homenageado

Escritor tem poesias musicadas para show especial

14 AGO 19 - 07h:00NAIANE MESQUITA

A musicista Lenilde Ramos aprendeu desde cedo a reconhecer o talento de Lino Villachá, escritor, poeta e cronista que dedicou sua vida a compreender a história e melhorar a qualidade de vida de quem morava no Hospital São Julião, em razão da hanseníase. 

“Faz mais de 20 anos que Lino faleceu. Ele foi um grande escritor, cronista e poeta, e as pessoas que o conheceram e conviveram com a sua obra decidiram homenageá-lo”, explica Lenilde.

A celebração da obra de Lino será no sábado, dia 17 de agosto, às 16h, no Hospital São Julião, com entrada gratuita. “Eu convivi com o Lino 25 anos consecutivos e musiquei apenas um dos poemas, porém, também vou apresentar músicas que o Lino gostava de ouvir”, ressalta Lenilde. 

O Grupo Acaba foi o responsável por musicar o restante dos poemas que integram o show especial. 

“Decidimos fazer essa homenagem para que a memória de Lino não se perca. Em conversa com o Grupo Acaba, eles disseram que tem uma história com os poemas do Lino, o que casou com a ocasião”, explica Bruno Maddalena, encarregado da manutenção e do meio ambiente do Hospital São Julião.

A ideia é que ocorra outras homenagens para o poeta. “Vamos ver junto à Academia Sul-Mato-Grossense de Letras como podemos manter a memória de Lino para que as próximas gerações conheçam o seu trabalho de grande elevação espiritual”, acredita Bruno. 

HANSENÍASE

Amiga e colega de trabalho, Lenilde relembra que Lino era generoso e adorava ouvir Milton Nascimento. “A música favorita dele era ‘Caçador de Mim’; até pediu que ela fosse tocada no velório dele”, explica.

Filho de um espanhol da Galícia, da pequena Villa Chá – que inspira o sobrenome – e de uma jovem russa, Lino chegou ao Brasil por causa dos pais, que eram imigrantes colonos em Terenos. 

Aos 12 anos, descobriu ao lado da família a hanseníase, enfermidade que, na época, não tinha cura. Tanto Lino quanto os pais e três dos cinco irmãos tiveram que ir para a antiga Colônia São Julião, que recebia as pessoas diagnosticadas com a doença. 

A convivência de Lino – ainda criança – no espaço fez com que ele conhecesse pessoas interessantes e isoladas da sociedade, como o “Seu Botto”, o professor, Maria, o velho Estanislão e Feliciana, que fizeram de Lino um cronista de seu tempo.

Em 1970, a antiga colônia passou às mãos de um grupo que fundou a Associação de Auxílio e Recuperação dos Hansenianos, transformando o local em um dos mais renomados hospitais para o tratamento de hanseníase no País. 

Lino embarcou junto nesse processo de evolução desde a primeira hora. Fundou a liga esportiva, organizou campeonatos de futebol e comemorações. 

O tratamento precário nas décadas de 1950 e 1960 não dispunha de remédios suficientes, sendo o confinamento obrigatório ainda por lei. 

Por causa da dificuldade, o poeta precisou amputar uma perna; depois a outra. As mãos se atrofiaram, os movimentos ficaram cada vez mais limitados, os rins já não conseguiam filtrar quarenta anos de remédios e cirurgias.

EDUCAÇÃO

Lino também foi diretor da Escola que funcionava no São Julião. Amarrava um lápis nas mãos em garra e datilografava poemas, entrevistas, crônicas, saudações aos amigos e autoridades. 

Logo depois, passou para o computador. Trabalhava na secretaria do hospital com dados, estatísticas, relatórios. Editou seis livros, publicados no Brasil e na Itália. 

Casou-se com Zena Maria em 1987 e dela teve amor e dedicação até o seu último momento. 

Lino Villachá também é o nome da escola do Bairro Nova Lima e também da rua de acesso ao hospital. Foi enterrado no hospital em 11 de julho de 1995, às 11h, ao lado de muitas árvores, como ele pediu em um dos textos. 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

“Que história é essa, Porchat?”
TELEVISÃO

“Que história é essa, Porchat?”

Rede TV! quer se colocar como segunda emissora esportiva da TV aberta
CANAL 1 - FLÁVIO RICCO

Rede TV! quer se colocar como segunda emissora esportiva da TV aberta

Receitas diferentes para o arroz, o queridinho dos brasileiros
INOVE

Receitas diferentes para o arroz, o queridinho dos brasileiros

Destaques das séries <br>e conteúdo "on demand"
COLUNA SERIAIS

Destaques das séries e conteúdo "on demand"

Mais Lidas