Cidades
PROTESTO

Caminhoneiros mantêm greve pelo 3º dia consecutivo

Paralisação pode comprometer distribuição de combustíveis em MS

RAFAELLY GONÇALVES

23/05/2018 10:21

 

Pelo terceiro dia consecutivo, os caminhoneiros continuam em greve no País. Em Mato Grosso do Sul, a manifestação contra o aumento do preço do diesel ocorre em 15 cidades nesta quarta-feira (22). Na Capital,  a rodovia BR-163, quilômetro 477 e 478 no Anel Viário, foi bloqueada, permitindo a passagem de ambulâncias e carros de passeio. Não há previsão de desocupação.

O gerente Executivo do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo e Lubrificantes MS (Sinpetro) Edson Lazaroto, disse que a paralisação dos caminhoneiros já está afetando todo o segmento de combustíveis no Estado, principalmente nas cidades do interior, pois as bases localizadas em Campo Grande estão operando com restrições, ou seja, com sua capacidade reduzida. Caso a greve persista, o abastecimento de todas as cidades ficará comprometido.   

De acordo com um dos caminhoneiros que estava no local, a proposta feita pelo governo não foi aceita entre os colegas, e não há previsão de liberação da pista. 

Outras cidades

As interrupções nas rodovias já subiram de nove para quinze municípios: Campo Grande, Maracaju, Rio Brilhante, Eldorado, Sidrolândia, Paranaíba, Naviraí, Bandeirantes e Caarapó, Paraíso das Águas, Dourados, Três Lagoas, Jaraguari, Chapadão do Sul e Cassilândia.

Proposta

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, anunciou um acordo com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Eunício Oliveira, para eliminar o imposto sobre o diesel e a gasolina (Cide), e pediu aos caminhoneiros que suspendam a greve. Mas, a medida é considerada insuficiente pela Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam). ​

Diesel

A Petrobras anunciou nesta quarta-feira (23) que o preço do diesel deve cair 1,54% nas refinarias. Segundo a Agência Nacional do Petróleo, do Gás Natural e dos Biocombustíveis (ANP), o preço médio do diesel nas bombas já acumula alta de cerca de 8% no ano. O valor está acima da inflação acumulada no ano, de 0,92%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).