Quarta, 22 de Novembro de 2017

De olho em 2018

Tribunal teme participação do crime organizado nas eleições

Políticos estão preocupados com uso da internet para destruir reputação e interferir no resultado

30 OUT 2017Por DA REDAÇÃO05h:00

Técnicos do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) alertam que o crime organizado pode usar a internet para interferir no resultado das eleições do próximo ano. Os políticos de Mato Grosso do Sul estão preocupados com essa investida das “facções criminosas” para destruírem reputação com páginas falsas na internet e com mensagens fictícias nas redes sociais. 

“A lei brasileira é bastante clara e rigorosa: o crime, de qualquer natureza, deve ficar longe das eleições”, afirmou o ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MS) André Borges, que também reconheceu a necessidade de se buscar instrumentos para combater as ações dos criminosos nas eleições.

Borges destacou existir inúmeros mecanismos de fiscalização e controle “desse tipo de situação criminosa a serem colocados pela Polícia Federal e pelos Ministérios Públicos”. Ele considerou importante a participação dos cidadãos e da imprensapara denunciar as ações dos criminosos, bem como “a enérgica atuação do Judiciário”.

Para o ex-juiz do TRE-MS, “as eleições não devem ser influenciadas por aqueles que têm como profissão o descumprimento da lei, para artificialmente atrapalhar ou beneficiar candidatos [das organizações criminosas]”.

*Leia a reportagem, de Adilson Trindade e Tavani Ferraresi, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

 

Leia Também