Domingo, 30 de Abril de 2017

lava jato

'República de MS' em Campinas é
apontada na delação da Odebrecht

Aurélio Cance teria recebido propina em dinheiro vivo para ajudar empreiteira

20 ABR 2017Por DA REDAÇÃO07h:00

Integrante da chamada “República de Mato Grosso do Sul”, o ex-diretor da Sanesul e da Sanasa (Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A), Aurélio Cance Júnior, que ficou conhecido por participar no maior escândalo de corrupção da Prefeitura de Campinas (SP), agora aparece entre os citados nos depoimentos de executivos da Odebrecht, prestados à força-tarefa da Operação Lava Jato.

Ele estaria entre os beneficiados na distribuição de R$ 4 milhões em propina no processo de licitação das obras da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Capivari 2, inaugurada na cidade paulista em 2012, com custo inicial de R$ 150 milhões. 

De acordo com depoimentos prestados pelos executivos responsáveis por negócios da empreiteira na região, Carlos Armando Guedes Paschoal e Emyr Diniz Costa Júnior, houve fraude na confecção da licitação da obra, para eliminar possíveis concorrentes.

Além de Cance, foram beneficiados com o acordo em troca de propina a ex-primeira dama Rosely Nassim Santos e o chefe de gabinete no governo de Dr. Hélio (PDT).

*Leia reportagem, de Gabriela Couto, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

Leia Também