Sexta, 24 de Novembro de 2017

no congresso

Relator da CPMI da JBS vai tentar ajudar deputados na Procuradoria-Geral

Carlos Marun foi escolhido para o cargo e definição gerou protestos

13 SET 2017Por DA REDAÇÃO04h:00

Escolhido ontem como o relator da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da JBS, o deputado federal Carlos Marun (PMDB) declarou que vai auxiliar nas investigações da CPI em Mato Grosso do Sul.

“Já liguei para o Paulo Corrêa (deputado estadual do PR e presidente da CPI na Assembleia Legislativa) e já vou falar com Rodrigo Janot (procurador-geral da República)”, afirmou Marun sobre o pedido de ressarcimento dos incentivos fiscais concedidos à empresa, pelo Estado, que somam R$ 1 bilhão. 

Esse montante diz respeito aos cinco Termos de Acordo de Regime Especial (Tares) que a JBS deveria cumprir em contrapartida aos benefícios concedidos à empresa pelo governo do Estado. 

Marun disse que vai “olhar a Procuradoria-Geral da República e Judiciário sem medo”. Na reunião de ontem (12), a CPI convocou os delatores da JBS, além do ex-procurador Marcello Miller, suspeito de ter orientado o acordo de delação enquanto ainda atuava na Procuradoria-Geral da República. 

Durante sessão da CPMI no Congresso Nacional, o deputado enfrentou resistência de parlamentares que não concordaram com a escolha dele para relator da comissão. O senador Otto Alencar (PSDB-BA), que faz parte da base aliada, acusou Marun de ser “chapa branca” e retirou-se da reunião.

Além de Alencar, o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) também deixou a comissão mais cedo por causa da escolha de Marun.

*Leia reportagem, de Izabela Jornada, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

 

 

Leia Também