Sábado, 10 de Dezembro de 2016

café esfriou

Processo da Coffee Break está
parado há dois meses

Esfriamento beneficiou envolvidos em esquema de compra de votos

28 NOV 2016Por DA REDAÇÃO04h:00

A Operação Coffee Break esfriou desde que o ex-vice-prefeito, Gilmar Olarte (sem partido), renunciou ao cargo, no dia 8 de setembro deste ano.

A estratégia da defesa para perder o foro privilegiado e ganhar mais um grau de jurisdição funcionou, beneficiando todos os envolvidos no esquema que investigou a possível compra de votos para a cassação do mandato do prefeito Alcides Bernal (PP) com um bem precioso: “tempo”. 

Os advogados da defesa afirmam que há dois meses o processo está parado e até o momento não foi distribuído na primeira instância.

“A ansiedade da defesa é grande, na expectativa de ver o Judiciário corrigir o muito que há de equivocado na denúncia, limpando (pelo menos parcialmente) a honra e a dignidade de quem se viu acusado de forma precipitada e midiática”, afirmou o advogado que defende o vereador Oávio Trad (PTB), André Borges.

*Leia reportagem, de Gabriela Couto, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

 

Leia Também