Sábado, 10 de Dezembro de 2016

EX-GOVERNADOR DO RIO

PF faz operação em joalherias onde, segundo MPF, Cabral fez compras

25 NOV 2016Por G116h:32

A Polícia Federal realizava na tarde desta sexta-feira (25) uma operação em duas filiais da joalheria Antônio Bernardo, na Zona Sul do Rio: Leblon e Gávea.

Segundo o Ministério Público Federal, era nessa joalheria que o ex-governador Sérgio Cabral, preso na operação Calicute, fazia compras. Nas lojas na tarde desta sexta, os agentes buscavam documentos e outras informações referentes às vendas de jóias que o MPF acredita que foram feitas a Cabral e à sua mulher Adriana Ancelmo.

O pedido de buscas nas joalherias foi feito pelo MPF. Segundo os procuradores, a joalheria prestou informações consideradas insatisfatórias. A decisão do juiz Marcelo Bretas desta quinta.

A loja é citada num depoimento colhido por agentes da operação que terminou com a prisão de Cabral. Na ocasião, Vera Lúcia Guerra disse que atendeu Sérgio Cabral numa das filiais. A última compra foi há dois anos, um colar de ouro de cerca de R$ 10 mil, pago depois, em dinheiro, por um homem que ela não conhece.

A Polícia Federal apreendeu quase 300 joias durante a operação. Os peritos da Polícia Federal estão identificando cada uma das joias. O trabalho é para descobrir se são autênticas e qual o valor de mercado.

Quarenta das joias apreendidas na operação estavam no apartamento de Sérgio Cabral e da mulher dele, Adriana Ancelmo. As outras foram encontradas com os outros integrantes do grupo de investigados. Segundo a diretora da joalheria, as peças eram escolhidas pelo próprio Sérgio Cabral ou por Adriana Ancelmo.

“É uma tipologia de lavagem de dinheiro. Consegue-se, por meio da aquisição de joias, ocultar valores, em tese, ilícitos”, disse o delegado da Polícia Federal Tácio Muzzi.

Leia Também