Domingo, 19 de Novembro de 2017

Águas Guariroba

Concessionária teria pago
R$ 5 mi para grupo investigado

Entre as irregularidades está a compra de uma estação de tratamento em Dourados

14 NOV 2017Por ALINE OLIVEIRA14h:15

A equipe de trabalho da Operação Lama  Asfáltica comentou nesta terça-feira (14), durante coletiva concedida à imprensa, as informações mais relevantes do depoimento concedido pelo ex-operador do esquema de recebimento de proprinas, Ivanildo da Cunha Miranda, sobre o envolvimento da concessionária Águas Guariroba. 

De acordo com o superintendente regional do CGU/MS, José Paulo Barbieri, na 4ª fase da operação foi identificado que a empresa com a concessão dos serviços de distribuição de água na Capital teria adquirido livros da Gráfica Alvorada (que não se relacionam com atividades fins), patrocínios de eventos que não foram realizados e com as informações atualizadas na 5ª etapa, a compra e venda de uma estação de tratamento de esgoto no município de Dourados. 

"Segundo informado pela testemunha, a empresa Proteco simulou a venda de uma estação de tratamento de esgoto para a Águas, sendo que a área de atuação prevista no contrato de concessão só abrange Campo Grande.  No total, foram quase R$ 5 milhões de recursos transferidos para o grupo do ex-governador, André Puccinelli no período entre 2011 e 2016", relata Barbieri.

Outra informação divulgada foi de que parte da propina paga pela concessionária de água de Campo Grande teria sido paga entre 2014 e 2016. "Mesmo depois do término do mandato, as negociações entre a empresa e o grupo investigado continuaram. 

O Portal Correio do Estado entrou em contato com a assessoria de imprensa da Águas Guariroba para saber o posicionamento da concessionária. A empresa informou que não teve acesso formal ao objeto da investigação.

"A empresa ressalta ainda que a Águas Guariroba se mantém à disposição das autoridades e que não irá manifestar-se no momento", informou, por meio de nota.

*Editada às 15h para acréscimo de informações.

 

Leia Também