Quinta, 19 de Outubro de 2017

ARTIGO

Venildo Trevizan: "Sinceridade no ser"

Frei

30 SET 2017Por 02h:00

Somos seres humanos portadores de inúmeras qualidades. Muitos sonhos e muitas esperanças perpassam nossa mente. Às vezes poderemos até exagerar em nossa disposição em fazer algo pelo bem da comunidade. Fazemos propostas admiráveis. Oferecemos nossas energias e nossas forças com o objetivo de melhorar as condições de vida da humanidade.

Mas ficamos apenas em propostas e em sugestões. Na hora do agir facilmente recuamos e justificamos alegando falta de tempo, ou outros compromissos anteriormente assumidos. Para tudo encontramos desculpas. Na realidade demonstramos uma falta enorme de respeito e de compromisso com a verdade.

Além disso facilmente apelamos para a necessidade de uma análise mais minuciosa dos fatos para poder ver com mais clareza as possíveis propostas de ação. É muito fácil na hora de uma emoção mais forte, de um entusiasmo espontâneo oferecer-se para resolver certos problemas. Mas quando as águas baixam e quando o entusiasmo ceder lugar ao comum, tudo mudará. As nuvens passam e a esperança de chuva tambem se vai.

E os problemas continuam. As situações de pobreza continuam. A angustia dos doentes continua. A fome permanece desafiando a caridade, a generosidade e a partilha. As desculpas poderão justificar a omissão, mas não conseguirão sossegar a consciência e o coração.

Sabemos que sempre existirá algo a ser feito, algo a melhorar, algum caminho a abrir, alguma vida a salvar. E Deus, na sua infinita sabedoria, está constantemente solicitando nossa colaboração para que a justiça seja partilhada e a verdade consolidada. 

Só assim o mundo será mais humano e mais divino. E poderemos nos convencer de que o mal existe e está em toda parte ameaçando os seres humanos. Não será castigo de Deus. Será conseqüência da fraqueza e do pecado do ser humano.

E Deus nos interpela através do profeta Ezequiel: “É a minha conduta que não é correta, ou é a vossa que não é correta? Quando um justo se desvia da justiça, pratica a injustiça e morre, é por causa da sua injustiça que ele morre. Quando um ímpio se arrepende da maldade que praticou e faz o que é direito e justo, conservará a própria vida” (Ez.18,25-28)

Essa é a grande verdade. Deus é sábio e misericordioso. Em sua sabedoria mostra qual caminho a seguir. Em sua misericórdia acolhe e ama, perdoa e salva, alimenta e purifica de todos os males e de todas as misérias.

A partir dessa constatação já será possível vislumbrar a manifestação de uma vida mais saudável e mais amável. E para que seja realidade será preciso trabalhar a honestidade e a sinceridade.

A honestidade como atitude corajosa de encarar a verdade e ser fiel a ela. A sinceridade como proposta de coerência entre aquilo que sugere e aquilo que assume. Será preciso vigiar para não mentir a si mesmo e não decepcionar a própria consciência.

Cultivar atitudes de honra para acolher e amar, consolar e perdoar, acompanhar e incentivar para que cada qual seja capaz de construir o próprio caminho permitindo que Deus seja companheiro em seu caminhar.

Leia Também