Sábado, 27 de Maio de 2017

OPINIÃO

Ruy Sant’Anna:"Maus políticos ameaçam a democracia"

Jornalista e advogado

20 ABR 2017Por 01h:00

Acredito que, se tudo correr bem, Lula deve ser condenado ainda neste ano de 2017. Acontece que Lula apareceu em vídeo com aquela cara de pau, que lhe é própria, dizendo em outras palavras que não iria rir nem chorar por causa das delações que o envolve no crime de corrupção, lavagem de dinheiro, peculato, inserção de dados falsos em sistema de informações, concussão, estelionato e falsidade ideológica, porque ele analisará com seus advogados as questões apresentadas. Ora, o que se sabe é que ele está contando nos dedos os prazos de prescrição dos crimes que cometeu. Só da Odebrecht tem 900 horas de vídeo e áudio para análise. Mas Lula será analisado processualmente por Moro. 

Ainda, escorrega pelas redes sociais um vídeo em que um pretenso líder sindical quer misturar indecência moral com trabalho honesto de trabalhadores. Trata-se de lodo moral que quer empestar o sindicalismo brasileiro. Prega “ajuda monstro” para tentar impedir a prisão de Lula. Monstro já é quem agasalha uma ideia estúpida como essa. Escudo humano para dar fuga a quem deve à Justiça é tão criminoso como a quem se pretenda esconder. Outra coisa: um movimento “monstro” como esse só deve ser para acoitar um “monstro”. De onde sairá tanto dinheiro para acoitá-lo? Os Sindicatos honestos sabem que tal boca mole não tem consciência que a Nação brasileira é imensamente maior que esse suposto líder. Esse é o último cartucho de Lula: blefar.

 Querem levar às últimas escaramuças para tentar colocar Lula e seus processos e/ou condenações paralisados, para daí tentarem as prescrições de processos que querem trancar, e condenações que surjam, sem execução. Os corruptos pulhas de sapato alto só abusaram da inocência do povo ao esconderem a fortuna que detinham e só lembraram dos pobres para descaradamente arrancar o curto dinheirinho dessa massa de manobra política.

Brasileiras e brasileiros não nascem com espírito de segunda classe. Querem enrolar a justiça, empacotando fumaça como se fosse argumento. Pretendem emparedar as brasileiras e brasileiros em fuzilamentos vergonhosos para a história pátria brasileira. O crime é do criminoso. O Brasil e seu povo, somos vítimas. Mas o risco que o Brasil e seu povo corre é de que a Justiça é lenta e tem mil e uma forma de recursos e possíveis entravamentos de processos, com os quais o “artista” tentará se enquadrar como vítima de sua própria safadeza.

O procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa do Ministério Público Federal na Operação Lava Jato, já disse que a punição da corrupção no País é “em regra, uma piada de mau gosto”. O procurador defende o aumento da pena para o crime de mínimo de quatro anos e máximo de 25. Hoje, a punição varia de dois a 12 anos de prisão. Pela proposta, também passa a ser hediondo o crime de corrupção quando valor for superior a 100 salários mínimos – aproximadamente R$ 80 mil. As dez medidas para enfrentamento à corrupção, as quais foram totalmente desfiguradas na Câmara e agora no Senado, pelos também apontados por corrupção, o senador Roberto Requião e o ex-presidente do Senado Renan Calheiros, têm de ser respeitadas na origem.

  Este tema é imenso. Tento enfocar pontos principais. Essas desastrosas histórias de imunidade parlamentar e foro privilegiado têm de acabar da forma que, desavergonhadamente, está em uso. Agentes públicos cometem crimes e fica por isso mesmo. Outro ponto: O procurador que coordena a investigação sobre corrupção na Petrobras alerta que o número de autoridades com o benefício “está fora do padrão internacional”.  A Lava Jato aponta 22 mil pessoas com o foro privilegiado. É uma aberração do protecionismo descabido. Com essa objetividade e acreditando no renascimento político e empresarial brasileiro, nem que seja com a força das ruas, lhe dou hoje o meu bom dia, o meu bom dia pra você.

Leia Também