Quinta, 08 de Dezembro de 2016

OPINIÃO

Antonio Carlos Siufi Hindo: "Francisco poderia dar um passo a frente!"

Procurador de Justiça aposentado

26 NOV 2016Por 01h:00

Ao fazer a primeira declaração pública  quanto à proibição de mulheres se tornarem sacerdotisas o Papa Francisco perdeu uma grande oportunidade de chancelar o seu pontificado como sendo aquele que mais se identificou com os avanços sociais, científicos e tecnológicos que desafiam todos os dias o ser humano. Esse tema pelo seu significado não pode mais se constituir em algo polemico. As teses que dão  sustentação fática e religiosa àquela comungada por Francisco não conseguem convencer o ser humano  diante da fragilidade das suas argumentações. Elas já se constituíram em algo  obsoleto.  

Com a sua irredutibilidade Francisco ofereceu para todos nós a senha de que nesse campo a Igreja Católica continua ainda adormecida. Para ela não terminou a Idade Média. A idade das trevas. Um período nebuloso para a história da humanidade. Marcado essencialmente pelo constrangimento mórbido imposto às mulheres, seguido de sevícias, maus tratos, guerras intermináveis, perseguições políticas e religiosas que mergulharam  no próprio inferno  a vida dos povos que tiveram que protagonizar aqueles encontros tresloucados.

E com a cumplicidade da própria Igreja Católica que tinha na pessoa física do Papa a mais forte liderança política e religiosa do mundo civilizado de então.  Hoje o nosso mundo é outro. A Ciência já mostrou isso ao longo dos séculos. A Igreja precisou se curvar diante desses ditames de grandeza cristalina. Já reconheceu, inclusive que é pecadora. Esse é um tema interessante. E nos remete a reflexionar melhor sobre os seus dogmas. 

Nesse diapasão,  dizer que as portas estão fechadas, para as mulheres, para se constituírem em sacerdotisas  é o protótipo do pior de todos os atrasos que podemos imaginar. Algo inconcebível. As interpretações das passagens da bíblia oferecidas pelos especialistas na área não podem ser estáticas. Elas precisam ser dinâmicas.  Hoje mesmo se o Cristo tivesse que retornar para a terra com o objetivo  cumprir a sua palavra não poderia jamais falar em aramaico. Ela já está extinta.

 A humanidade não conseguiria entender as suas lições e os fundamentos de suas sentenças. Mas não é só isso. Quando ele próprio ressuscitou para anunciar a todos nós a certeza da vida eterna escolheu uma mulher para difundir a boa nova. Aqui reside talvez a essência de todas as verdades sustentadas pela Igreja de Cristo. Ele tinha doze amigos. Os apóstolos. Mas desconsiderou a todos. Não por serem inócuos e incapazes de cumprir essa sagrada missão. Mas para mostrar para o mundo a importância da mulher no contexto da Religião instituída pelo próprio Cristo. 

Francisco poderia rever seu posicionamento. No campo material a Pátria é o que as mães fazem de seus filhos. Essa é uma definição singular que encontramos para demonstrar a grandeza da mulher de cujas entranhas nascemos. Com a Igreja o raciocínio não pode ser diferente. Escorado nesse pensamento de grandeza singular podemos afiançar também e com absoluta convicção que  é  no colo  das nossas mães  que moldamos o nosso caráter e definimos a nossa personalidade.

Nada nesse mundo pode animar o ser humano a conspirar contra o ser que lhe deu,  a vida. Ela é a nossa confidente, a nossa conselheira, a nossa orientadora, o sinal vivo da nossa existência. Esses fundamentos enriquecem os nossos costumes, chancelam a nossa história e dá sentido à nossa existência. Mas não é só. Alimentam as nossas esperanças, difundem a preciosidade da fé, e apontam inexoravelmente para o encontro do diálogo, do respeito e da dignidade como princípios fundamentais para a construção de uma sociedade justa e igualitária. 

Maria, a mãe de Jesus, é a mais forte expressão dessa verdade. Das suas entranhas nasceu o Cristo o filho do Deus vivo. Alinhados com esses posicionamentos Francisco poderia dar esse importante passo para encontrar na mulher o rochedo que pode muito bem sedimentar os ensinamentos legados pela Igreja de Cristo.  

 

Leia Também