Quinta, 23 de Novembro de 2017

Espetinhos

Vendedor responsabilizado por homicídio no Bairro Santo Amaro

29 JUN 2010Por 07h:23
karine cortez e  NADYENKA CASTRO

A Polícia Civil indiciou pelo crime de homicídio doloso – com a intenção de matar –, o vendedor de espetinhos, Reginaldo Alexandre da Silva, 40 anos, que pode ter a prisão preventiva decretada nos próximos dias, conforme informou o titular da 7ª delegacia de Campo Grande, Natanael Costa Balduino.
Ele é acusado de matar o jovem Adriano Augusto Ribeiro Ajala, 33 anos, no último dia 15 depois de discutirem. “Vou ouvir algumas testemunhas e depois das oitivas poderemos saber se será necessário o pedido de prisão preventiva do acusado”, disse o delegado.

O crime aconteceu na noite de terça-feira (15), na Rua Miranda esquina com a Rua Constantinopla, no Bairro Santo Amaro, no momento em que o rapaz recebeu uma facada no coração durante briga com Reginaldo que teria ocorrido depois que Adriano saiu correndo, bastante exaltado, atrás da namorada o que despertou a atenção de Reginaldo e uma outra pessoa que acabaram os seguindo.

Irritado, Adriano foi até a banca de espetinho de Reginaldo, acompanhado do irmão, para tomar satisfação e acabaram se agredindo.
Momentos antes de ter início a briga entre Reginaldo e Adriano, por volta das 19h, a Polícia Militar foi acionada para atender uma ocorrência de perturbação de sossego alheio, na Rua Miranda, porque Adriano estaria incomodando vizinhos com o som alto numa residência onde torcedores, inclusive ele, comemoravam a vitória do Brasil.

Julgamento
Por outro lado, o conselho de sentença da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, julga hoje Marcelo de Oliveira Vargas, acusado de matar o empresário Marcelo Zanardo, no dia 22 de setembro do ano passado. O júri está marcado para as 8 horas e será presidido pelo juiz Aluízio Pereira dos Santos.

Marcelo responde pelo crime de homicídio qualificado por motivo fútil e com recurso que dificultou a defesa da vítima, que morreu com oito facadas. De acordo com o Ministério Público Estadual, o empresário foi morto quando estava nú e após uma discussão com o réu. O crime aconteceu em uma residência no Bairro Tiradentes, que havia sido alugada pela vítima alguns dias antes. Depois do assassinato, o acusado furtou o aparelho de celular, R$ 213, documentos e o Fiat Palio do empresário.

Leia Também