Sexta, 17 de Novembro de 2017

Universidades avaliam antiga rodoviária

19 MAR 2010Por 06h:14
Representantes da Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Campo Grande e das universidades Federal e Estadual de Mato Grosso do Sul e da Unidade de Ensino Superior Ingá, de Maringá (PR), visitam hoje às 14h as dependências da antiga rodoviária de Campo Grande, no centro da Capital, e analisam a possibilidade de utilização da área para cursos de graduação e profissionalizantes. Na última quarta-feira, em reunião na Prefeitura de Campo Grande, o assunto foi discutido com comissão de comerciantes do local, que sofrem desde fevereiro com a falta de movimento na região depois que o terminal de passageiros foi desativado. De acordo com a comerciante Rosane Nely Lima, as perspectivas são muito boas. “A universidade federal pode levar o curso de Direito, mas ainda depende de aprovação dos conselhos universitários, e a Uningá, que é particular, pode se instalar em Campo Grande e oferecer cursos profissionalizantes e de nível superior em Gastronomia”, afirmou. A Universidade Estadual, segundo o reitor Gilberto Arruda, ainda não foi procurada para discutir o assunto. O vice-prefeito Edil Albuquerque, ontem, afirmou que convidaria a direção da instituição para participar das discussões e verificar a viabilidade de se instalar na antiga rodoviária. Segundo Rosane, outra possibilidade que está em estudo é a transferência de órgãos municipais para o local, além da formalização de outras parcerias. A mobilização para ocupação do prédio – que, em sua grande parte é particular, mas abrange também áreas municipais onde funcionavam o terminal de ônibus intermunicipal e o de transporte urbano – é para garantir a sobrevivência dos comerciantes que viram cair drasticamente o número de clientes após a mudança da rodoviária para a saída para São Paulo. Diversas lojas fecharam as portas e dispensaram funcionários, enquanto outras aguardam a transformação do local.

Leia Também